Debandada e duelo por teto de gastos são teste para investidores

Saídas de Salim Mattar e Paulo Uebel escancaram dificuldade da equipe de Paulo Guedes de levar reformas econômicas adiante

A quarta-feira deve ser um daqueles dias para testar o entusiasmo dos investidores com uma futura recuperação da economia a despeito do noticiário. Desde o mergulho de março, o Ibovespa e os principais índices globais sobem ancorados na expectativa de uma retomada em V pós-pandemia. No Brasil, uma leva de aprovação de reformas que modernizem a economia também turbina o entusiasmo.

De fato precisamos como nunca das reformas, mas o governo deu ontem mostras de que pode não estar tão convencido disso. A equipe econômica perdeu dois de seus principais nomes. O secretário especial de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e o de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, pediram demissão nesta terça-feira, levando para seis o número de baixas da equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, nas últimas semanas.

Guedes constatou o óbvio: houve uma debandada. Guedes e Mattar defendem uma ampla leva de privatizações, mas vêm esbarrando na queda de braço política e na necessidade de ampliar os gastos públicos para garantir bons resultados nas eleições municipais deste ano e na presidencial de 2022. No Twitter, a economista Elena Landau, uma das vozes mais críticas a Guedes, ironizou: "Salim Mattar descobriu que privatizar mexe com interesses e enfrenta resistências políticas".

A equipe econômica bate o pé em manter o teto nos gastos públicos, enquanto outras alas do governo querem um amplo programa de investimentos, o Pró-Brasil. Ontem, Guedes afirmou que furar o teto "é um caminho para o impeachment". O futuro do pacote de auxílio emergencial é outro ponto de conflito -- traz benefício eleitoral, mas amplia o buraco no orçamento. Em outra frente, Guedes insiste em levar adiante um imposto sobre transações digitais que vem sendo chamado de "nova CPMF" e que vai contra o desejo de ala relevante do Congresso.

Para piorar, o presidente Jair Bolsonaro ontem voltou a negar os fatos ao falar que a Amazônia "não está pegando fogo". Especialistas dizem que o ano tem recorde de queimadas em 20 anos. O Pantanal também tem uma das maiores queimadas da história este ano.

No exterior, a nomeação de Kamala Harris para vice de Joe Biden na chapa democrata tem sido vista com naturalidade por analistas. Na Europa, uma nova notícia econômica: o PIB britânico caiu 20% no segundo trimestre. Péssimo, mas esperado. O que deve mexer com o humor da bolsa, nesta quarta, é o noticiário interno.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.