A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Com praia artificial de 700 metros, condomínio em SP anuncia últimos lotes

Em Itupeva, Fazenda da Grama irá vender 121 terrenos na quarta e última fase de vendas; preços partem de 4,1 milhões de reais

É um cartão de visitas e tanto para um condomínio. Em Itupeva, a 60 quilômetros de São Paulo, a Fazenda da Grama criou uma praia artificial com 700 metros de extensão, areia que não esquenta e ondas de até 2 metros a cada oito segundos, ao custo de 180 milhões de reais. O diferencial do condomínio, que anda lotado desde que começou a pandemia, tem ajudado a catapultar as vendas de novos lotes.

“Em vez de investir em viagens longas, muita gente vai preferir gastar com moradias no campo”, declarou Oscar Segall, fundador da incorporadora responsável, a KSM, em meados de 2020. Dito e feito. O empreendimento está prestes a dar início à quarta e última fase de vendas, com 121 lotes (todos eles com lista de espera).

Como na Fazenda Boa Vista, dá para adquirir só o terreno ou encomendar uma casa concebida, por exemplo, pelo renomado arquiteto Thiago Bernardes. Não sai por menos de 7,3 milhões de reais.

Praia da Grama: terrenos custam a partir de 4,1 milhões de reais

Praia da Grama: terrenos custam a partir de 4,1 milhões de reais (Rafael Renzo/Divulgação)

Os terrenos, que variam de 2.300 metros quadrados a 3.100 metros quadrados, custam a partir de 4,1 milhões de reais — o metro quadrado sai a 1.800 reais e a comercialização está a cargo da Bossa Nova Sotheby's International Realty.

O objetivo da KSM é atrair mais 450 frequentadores para o empreendimento — as unidades da terceira fase foram todas vendidas. “A KSM identificou um mercado novo”, acredita Segall. “Unimos a praia ao campo”.

Registre-se que o Boa Vista Village, empreendimento vizinho à Fazenda Boa Vista, no interior de São Paulo, também da JHSF, rival da KSM, promete uma piscina para surfistas, com ondas de até 2,75 metros de altura e 22 segundos de duração.

O investimento total na Fazenda da Grama foi de 320 milhões de reais e o faturamento previsto é de 700 milhões de reais.

Alta procura: empreendimento está prestes a dar início à quarta e última fase de vendas, com 121 lotes (todos eles com lista de espera)

Alta procura: empreendimento está prestes a dar início à quarta e última fase de vendas, com 121 lotes (todos eles com lista de espera) (Rafael Lenzo/Divulgação)

Ondas para todos os gostos

Estima-se que apenas 30% dos moradores praticavam surfe até a inauguração da praia artificial. Os 70% restantes, afirma a incorporadora responsável, são adeptos do lifestyle praiano que estariam iniciando as primeiras manobras sobre as ondas — difícil acreditar que não haja pelo menos um condômino que não dê bola para o esporte.

Exageros à parte, o complexo praiano também permite a prática do badaladíssimo beach tênis e de vôlei de praia.

Ainda há piscinas naturais e uma com raia de 25 metros. O acesso é restrito aos moradores, que poderão, no entanto, levar convidados, mediante disponibilidade — os que quiserem surfar serão obrigados a desembolsar 500 reais.

O “mar” do complexo se espalha por 28.000 metros quadrados. Ao todo, são 30 tipos de ondas, a começar pelas tubulares, ideais para manobras de surfe.

Quem está começando no esporte pode contar com as famosas marolas. A empresa responsável pela tecnologia envolvida é a espanhola Wavegarden Company.

Na Austrália, na Inglaterra, na Coreia do Sul e nos Alpes Suíços, a companhia mantém parques abertos ao público com praias similares à do condomínio em Itupeva. “A Wavegarden Company disponibilizou um funcionário pelos próximos dois anos, além de treinar uma equipe aqui no Brasil exclusiva para manutenção”, explica Segall.

Entre um mergulho e outro, é possível desbravar a agrofloresta do condomínio, com direito a trilha, árvores frutíferas e horta, na qual os moradores podem se abastecer de frutas e verduras orgânicas. Faltou falar da academia do complexo; do SPA com direito a saunas, salas de massagem, espaço feminino, piscina fria e jacuzzi; dos restaurantes; do espaço de eventos; e da loja de artigos para surfe da Star Point Experience. Uma praia no interior de São Paulo, afinal, demanda acessórios e equipamentos à altura.

Surfe com 30 tipos de ondas: empresa responsável pela tecnologia envolvida é a espanhola Wavegarden Company

Surfe com 30 tipos de ondas: empresa responsável pela tecnologia envolvida é a espanhola Wavegarden Company (Igor Bellido/Divulgação)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também