Marketing

Vídeo mostra vida e morte de uma colher de plástico em 2 min

Jornada épica resume bem o destino de outros produtos descartáveis e o impacto para o Planeta

Colher de plástico (Reprodução/ Youtube/ Greenpeace)

Colher de plástico (Reprodução/ Youtube/ Greenpeace)

Vanessa Barbosa

Vanessa Barbosa

Publicado em 19 de outubro de 2015 às 12h40.

São Paulo - Assim como os seres humanos, os objetos têm uma história de vida. Ela se inicia na extração da matéria prima para fabricação, passa pelo processo de produção, transporte, comercialização, utilização e termina no descarte final do produto, quando julgamos que ele perdeu sua utilidade. 

Todo este processo, chamado de ciclo de vida, é marcado por impactos ambientais e sociais,  em maior ou menor escala.

Buscando alertar sobre os efeitos de uma cultura baseada no comprar-usar-descartar, a ONG ambientalista Greenpeace criou um vídeo que mostra o ciclo de vida de um objeto bem comum: a colher de plástico, cuja 'história' resume bem o destino de outros produtos descartáveis.

O vídeo faz uma viagem por todo o planeta mostrando quanto de recurso e energia são usados para criar um produto que é usado apenas uma vez e descartado.

"Esta ideia, obviamente, vai além de uma colher. Trata-se de como nos relacionamos com as coisas que consumimos. É sobre as escolhas que fazemos. Através delas, podemos mudar esse sistema e criar um mundo onde os humanos vivem dentro dos limites da Terra", diz a ONG em seu site no Reino Unido.

"Tudo começa com você e aquela colher. É só lavá-la, reutilizá-la e amá-la", resume a ONG. Confira, no vídeo abaixo (em inglês), a vida e a morte de uma colher de plástico em 2 minutos:

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:GreenpeaceMeio ambienteONGsPlásticosSustentabilidade

Mais de Marketing

Dia dos Namorados: Reserva lança campanha com versão de música de Rita Lee em Libras

Tecnologias do futuro: como conectá-las à realidade?

De R$ 250 a R$ 6.400, show de Andrea Bocelli movimenta experiências no Allianz Parque

Popeyes vai dar frango frito de graça para pessoas com menos de 1,55m

Mais na Exame