Acompanhe:

EQI Asset projeta chegar a até R$ 2 bilhões sob gestão no primeiro ano

Gestora lança família de fundos para atender parte da forte captação da EQI Investimentos e será peça-chave na estratégia que prevê uma corretora nos próximos meses

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ettore Marchetti, CIO (executivo-chefe de Investimentos) da EQI Asset, no escritório da gestora no Itaim, em São Paulo (Leandro Fonseca/Exame)

Ettore Marchetti, CIO (executivo-chefe de Investimentos) da EQI Asset, no escritório da gestora no Itaim, em São Paulo (Leandro Fonseca/Exame)

M
Marcelo Sakate

Publicado em 6 de maio de 2021 às, 18h27.

Última atualização em 6 de maio de 2021 às, 19h07.

Ritmo de crescimento acelerado típico de startup. Assim podem ser descritos os primeiros meses em operação da EQI Asset, a gestora da EQI Investimentos, um dos maiores escritórios de agentes autônomos do país.

Em pouco mais de três meses, a gestora já superou a marca de 500 milhões de reais sob gestão. O plano é alcançar cerca de 10% a 15% dos ativos sob custódia médios (AuC) da EQI Investimentos, afirmou Ettore Marchetti, CIO (executivo-chefe de Investimentos) da EQI Asset, à EXAME Invest.

Diante da previsão da EQI Investimentos de encerrar o ano com 15 bilhões de reais em ativos, isso significaria que a EQI Asset pode chegar a algo entre 1,5 bilhão e 2 bilhões de reais em ativos sob gestão no fim de 2021, afirma Marchetti. A EQI tem captado perto de 1 bilhão de reais por mês.

Assine a EXAME e conte com o melhor conteúdo em investimentos e os bastidores das negociações 

A asset é uma das verticais pensadas para gerar mais valor para os clientes da EQI Investimentos, que está em processo junto ao Banco Central para abrir uma corretora nos próximos meses. A corretora será montada em sociedade com o BTG Pactual (BPAC11), que terá 49% de participação, mesma fatia que detém na EQI.

A gestora nasceu no meio do quarto trimestre do ano passado, com o convite para que profissionais experientes do mercado -- com 15 a 20 anos de carreira -- liderassem a operação. Entre eles estão justamente Marchetti e Roberto Chagas, head de Renda Variável. Ambos vieram da Trafalgar Investimentos, que haviam fundado em 2017.

A equipe inicial contava com sete pessoas e triplicou desde então, para 21 no fim de abril. Os primeiros fundos foram lançados na virada do ano, dentro da fase 1 do projeto para colocar a gestora em funcionamento no mercado.

São fundos com os quais Marchetti e Chagas já estavam habituados a montar e a trabalhar em casas anteriores: um Multimercado Global Macro e o Long Bias. Este foi incorporado diretamente da Trafalgar, depois de acordo entre as partes. É um fundo que já conta com 80 milhões de reais sob gestão em três anos de histórico.

Além disso, foram criados um fundo de ações e outros de renda fixa, estes para dar a liquidez aos clientes da EQI.

"A concepção foi para ser uma asset multiproduto. Diferentemente de eu empreender para criar uma gestora, como já fiz e o Roberto também, temos ao lado uma empresa que tem uma captação explosiva. E precisamos fornecer produtos para eles. Não faz sentido contar com apenas uma ou duas estratégias", contou Marchetti.

A EQI contratou no início do ano Bernardo Mota como economista-chefe, que veio da Asset 1 e teve passagem pelo BTG Pactual (do mesmo grupo que controla a EXAME).

Fundos passivos e de crédito

A fase 2 começou há cerca de um mês com a contratação de equipes prontas especializadas em determinados produtos. Começa com um time que vai para montar uma área de crédito estruturado, para lançar, por exemplo, fundos de crédito consignado e de CRI (Certificados de Recebíveis Imobiliários).

Está em estudo um fundo de crédito para automóveis. Será lançado também um FoF (fundo de fundos). E posteriormente, ainda sem prazo, produtos na área de fundos imobiliários. E ativos no mercado externo.

Na família de produtos também estão fundos passivos, chamados de Track. O primeiro deles é um fundo de bolsa americana que segue o índice S&P 500, nos Estados Unidos.

O cliente médio da EQI tem um tíquete médio menor para os padrões de mercado -- a aposta é no ganho de escala. São hoje cerca de 40.000 clientes. Mas o plano, diz Marchetti, é ir além dos investidores de varejo da EQI.

"Por ter uma gestão muito competitiva e competente, também vamos captar no institucional. Conversamos com os family offices e os grandes bancos para poder captar na plataforma deles. Como é uma casa nova, há todo o processo de diligência. Mas, como a equipe é conhecida e já entregou resultados, é um processo menos burocrático", conta.

Últimas Notícias

Ver mais
WEG (WEGE3) vai pagar R$ 1,25 bi em dividendos após divulgação do balanço; da tempo de investir!
seloOnde Investir

WEG (WEGE3) vai pagar R$ 1,25 bi em dividendos após divulgação do balanço; da tempo de investir!

Há 9 horas

CRI, CRA, LCI e LCA: ‘Em seis meses, o milagre ficará claro’, diz analista
seloOnde Investir

CRI, CRA, LCI e LCA: ‘Em seis meses, o milagre ficará claro’, diz analista

Há um dia

5 mitos sobre as small caps que o mercado deve esquecer
seloOnde Investir

5 mitos sobre as small caps que o mercado deve esquecer

Há um dia

O tempo é seu aliado ao investir: entenda a ‘mágica’ dos juros compostos
seloOnde Investir

O tempo é seu aliado ao investir: entenda a ‘mágica’ dos juros compostos

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais