Preço dos planos de saúde irá subir até 15,5% neste ano, decide ANS

Percentual é válido para o período entre maio de 2022 e abril de 2023 para 8 milhões de contratos
Índice de 2022 foi analisado pelo Ministério da Economia e aprovado em reunião de Diretoria Colegiada na tarde desta quinta-feira, 26 (Getty Images/Nora Carol Photography)
Índice de 2022 foi analisado pelo Ministério da Economia e aprovado em reunião de Diretoria Colegiada na tarde desta quinta-feira, 26 (Getty Images/Nora Carol Photography)
Por Marília AlmeidaPublicado em 26/05/2022 15:17 | Última atualização em 26/05/2022 16:01Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) definiu em 15,5% o teto do índice de reajuste para os planos de saúde individuais e familiares contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98).

O valor final do plano de saúde é impactado por fatores como a inflação, o aumento ou queda da frequência de uso do plano de saúde e os custos dos serviços e equipamentos médicos.

O percentual é válido para o período entre maio de 2022 e abril de 2023 para cerca de 8 milhões de contratos, o que representa 16,3% dos consumidores de planos de assistência médica no Brasil.

O reajuste poderá ser aplicado pela operadora a partir da data de aniversário do contrato, ou seja, no mês da contratação do plano.

Tenha acesso agora a todos materiais gratuitos da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal

Os gastos assistenciais per capita nos planos individuais regulamentados tiveram crescimento de 20,35% em 2021 comparado a 2020.

No entanto, a frequência no uso de serviços de saúde no setor em 2021 não cresceu no mesmo ritmo, exibindo uma retomada mais gradual em relação ao ano anterior, principalmente quanto às consultas e internações. Esses dados indicam que grande parte da variação positiva dos custos assistenciais de 2021 ante a 2020 se deve à forte variação no preço desses serviços.

Como é aplicado o reajuste dos planos de saúde

Como é aplicado o reajuste dos planos de saúde (ANS/Reprodução)

Como a frequência na utilização de serviços apresentou queda bastante acentuada em 2020, a retomada em 2021, ainda que gradual, foi suficiente para que, ao lado de um aumento acentuado nos preços dos insumos e serviços, acelerasse o índice deste ano para 15,5%.

O índice de 2022 foi analisado pelo Ministério da Economia e aprovado em reunião de Diretoria Colegiada na tarde desta quinta-feira, 26. A decisão será publicada no Diário Oficial da União.

Como o reajuste dos planos de saúde é calculado?

Para chegar ao percentual de 2022, a ANS utilizou a metodologia de cálculo que vem sendo aplicada desde 2019, que combina a variação das despesas assistenciais com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) descontado o subitem Plano de Saúde.

O cálculo é baseado na diferença das despesas assistenciais por beneficiário dos planos de saúde individuais de um ano para o outro. Dessa forma, o índice de 2022 resulta da variação das despesas assistenciais ocorridas em 2021 em comparação com as despesas assistenciais de 2020.

Preço dos planos de saúde reduziu em 2021

Em 2021, a agência anunciou pela primeira vez um percentual de reajuste negativo (-8,19%), o que resultou na redução das mensalidades no período de maio de 2021 a abril de 2022.

O percentual negativo refletiu a queda de 17% no total de procedimentos (consultas, exames, terapias e cirurgias) realizados em 2020, em relação a 2019, pelo setor de planos de saúde.

A redução da utilização dos serviços aconteceu em decorrência das medidas protetivas adotadas para evitar a disseminação da covid-19.

Contudo, em 2021, com a retomada gradativa da utilização dos planos de saúde pelos beneficiários, as despesas assistenciais apresentaram crescimento, influenciadas principalmente pela variação no preço dos serviços e insumos de saúde.