Minhas Finanças

Mais de 900 mil contribuintes ficam na malha fina em 2014

O Fisco informou hoje que 937.939 declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física de 2014 foram retidas


	Receita Federal: o principal motivo para a retenção em malha foi a omissão de rendimento
 (Divulgação/Receita Federal)

Receita Federal: o principal motivo para a retenção em malha foi a omissão de rendimento (Divulgação/Receita Federal)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de dezembro de 2014 às 09h37.

Brasília - Mais de 900 mil brasileiros caíram na malha fina da Receita Federal. O Fisco informou hoje que 937.939 declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física de 2014 foram retidas em malha fiscal, sendo 740.760 declarações com imposto a restituir, 174.301 declarações com imposto a pagar, e 22.878 declarações sem saldo de imposto a pagar ou a restituir.

O principal motivo para a retenção em malha foi a omissão de rendimentos, que ocorre quando o valor do rendimento declarado na Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (DIRPF) é menor do que o informado pela fonte pagadora em Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf). Esses casos representam 52% das retenções.

Em seguida, as despesas médicas aparecem como o segundo maior motivo para retenção, com 20% dos casos. Em terceiro, com 10% das retenções, está a ausência de Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf).

"Isso ocorre quando a pessoa física declara um valor de Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), mas quem pagou o rendimento não apresenta a Dirf, ou apresenta a Declaração sem informar aquela pessoa física como beneficiário de pagamentos com retenção do IR na fonte", informou a Receita.

A quantidade de dependentes aparece em quarto lugar e responde por 7% das retenções. Em quinto lugar e presente em 6% dos casos de retenção, está a diferença entre o valor do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) declarado pela pessoa física e o informado na (Dirf) por quem pagou o rendimento e reteve o IR na fonte.

Consulta

Para consultar a situação da declaração, o contribuinte deve usar o serviço "Extrato do Processamento da DIRPF", disponível na página da Receita Federal na Internet. Quem não tem certificado digital, pode usar o código de acesso, que é gerado na própria página.

A Receita orienta que o contribuinte verifique se existem "Pendências na Declaração" e leia as orientações sobre quais dados verificar e o que fazer para cada pendência apontada na declaração.

Se de fato houver erros na declaração, o contribuinte pode corrigir por meio de uma declaração retificadora. Se não verificar erros e tiver todos os documentos que comprovam os valores declarados, o contribuinte deve agendar uma data para comparecer à Receita e apresentar a documentação.

O agendamento para a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (DIRPF) de 2014 começa a partir de 2 de janeiro, segundo informou o governo.

Acompanhe tudo sobre:Imposto de Renda 2020ImpostosLeãoMalha finareceita-federal

Mais de Minhas Finanças

Ministério da Justiça realiza leilão de 54 quilos de ouro; veja como participar

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 61 milhões na poupança

Programa Apoio Financeiro: Caixa paga parcela de R$ 1.412 a trabalhadores do RS

Receita libera consulta ao 3º lote de restituição do IR 2024 nesta semana

Mais na Exame