• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Como saber se o seu consumismo virou doença, a oneomania

O transtorno atinge entre 2% e 8% das pessoas no mundo, com muito ou pouco dinheiro, e quem sofre precisa de ajuda. Saiba identificá-lo
Consumo compulsivo: Quem sofre com o transtorno precisa de tratamento psicológico e psiquiátrico (Thinkstock/nicoletaionescu)
Consumo compulsivo: Quem sofre com o transtorno precisa de tratamento psicológico e psiquiátrico (Thinkstock/nicoletaionescu)
Por Júlia LewgoyPublicado em 22/12/2017 05:00 | Última atualização em 22/12/2017 08:17Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - Assim como fumar, beber ou jogar, consumir pode se tornar um vício e não ser uma escolha. Com nome esquisito, a oneomania mais conhecida como consumo compulsivo atinge entre 2% e 8% das pessoas no mundo, com muito ou pouco dinheiro, que escondem as sacolas e sofrem com as compras.

A doença atinge principalmente as mulheres: a proporção é de quatro mulheres para cada homem. O transtorno frequentemente leva ao superendividamento, mas nem todo superendividado sofre de consumo compulsivo.

“Não é uma questão de falta de planejamento financeiro e de acesso à informação. É uma doença, que atinge todas as classes socias”, explica a psicóloga Tatiana Filomensky, coordenadora do tratamento para consumidores compulsivos do Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria da USP e presidente da Associação Viver Bem.

Mas o que diferencia um consumista de um comprador compulsivo? O sofrimento psicológico que a compra causa. Quem tem o transtorno sente euforia enquanto compra, mas não sente prazer ao abrir as sacolas quando chega em casa. Enquanto o consumista gosta de mostrar as compras que fez, o comprador compulsivo tem vergonha e esconde.

“É uma ressaca. Depois que acaba a compulsão do momento, a pessoa sente profunda depressão e desinteresse pelo que comprou”, explica a psicanalista Denise Gimenez Ramos, professora titular do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP.

Além do sofrimento, as dívidas são consequência da doença. O comprador compulsivo faz compras com frequência, não pergunta o preço e às vezes adquire todas as cores e formas possíveis do mesmo item.

Quem sofre do transtorno precisa de ajuda. O tratamento normalmente inclui a combinação de psicoterapia com medicamentos, que podem ser antidepressivos, ansiolíticos ou os dois. O apoio de grupos como o Devedores Anônimos também é importante.

O consumo compulsivo faz parte do mesmo grupo de transtornos do vício em jogos. Consumir é uma dependência para quem teve dificuldades de desenvolver autonomia emocional na transição da infância para a vida adulta, como explica o psicanalista Pedro de Santi, professor da ESPM.

“A dependência é o encontro de uma estrutura emocional frágil desde a infância com um grande apelo de consumo na sociedade”, explica. Santi esclarece que consumir não é errado e que só se torna um problema quando o consumidor sofre de abstinência e não consegue escolher quando comprar.