Volatilidade se tornou maior impulso para força global do dólar

O indicador de volatilidade cambial permanece elevado apesar da relativa calma em outros mercados
Dólar: Bloomberg Dollar Spot Index subiu 9% este ano em meio a grandes movimentos nos mercados de juros nos EUA (Adrienne Bresnahan/Getty Images)
Dólar: Bloomberg Dollar Spot Index subiu 9% este ano em meio a grandes movimentos nos mercados de juros nos EUA (Adrienne Bresnahan/Getty Images)
B
BloombergPublicado em 26/07/2022 às 14:46.

Alguns dos fatores que impulsionaram a força do dólar no início deste ano nos mercados de câmbio globais perderam força, mas surgiram outros.

O Bloomberg Dollar Spot Index subiu 9% este ano em meio a grandes movimentos nos mercados de juros nos EUA e o forte aperto monetário do Federal Reserve. Mas enquanto o impacto desses fatores diminui, o alto nível de turbulência cambial que eles geraram é sustentado por uma série de riscos geopolíticos nos mercados desenvolvidos e emergentes. E com a volatilidade dos mercados de câmbio e o dólar cada vez mais em sincronia, isso ajuda a manter o dólar em alta contra as principais moedas.

Fatores geopolíticos ficaram evidentes na segunda-feira, quando a gigante russa do gás, a Gazprom, disse que cortará os fluxos no gasoduto Nord Stream - principal fonte de abastecimento para a União Europeia - para cerca de 20% de sua capacidade. O euro caiu com o gás natural europeu saltando 10%.

Enquanto isso, riscos grandes e difíceis de quantificar continuam surgindo no horizonte, desde a resposta à pandemia na China e as eleições de meio de mandato nos EUA até preocupações globais com alimentos e as tensões entre EUA e China em torno de Taiwan.

A correlação de 21 dias entre o Bloomberg Dollar Spot Index e o JP Morgan Global FX Volatility Index, uma medida ampla de volatilidade cambial global de três meses, ficou em torno de 65% na segunda-feira, cerca do dobro da média da última década.

O indicador de volatilidade cambial permanece elevado apesar da relativa calma em outros mercados. Ele atingiu uma alta de dois anos de 12,2% em meados de julho.

As reversões de risco de um ano do dólar, um indicador das expectativas de longo prazo para a volatilidade, estão precificadas em cerca de 1,8% a favor das opções de compra do dólar, um pouco acima dos níveis vistos após a eclosão da guerra na Ucrânia - um sinal de que os operadores estão dispostos a pagar um prêmio pela moeda americana.

Por outro lado, outros indicadores de estresse financeiro diminuíram. O CBOE Volatility Index atingiu uma mínima de três meses. O ICE BofA MOVE index, que mede a volatilidade dos títulos do Tesouro americano, tem caído desde um pico em 5 de julho. Os swaps de crédito que protegem contra calote de dívida de grau de investimento na Europa estão em queda desde 14 de julho, e as ações japonesas são negociando em seu nível mais alto em um mês.