A nova carteira do Ibovespa: sem Smiles e com Minerva, CPFL e Energisa

Vale ganha participação no índice e passa a ser a empresa com maior peso, à frente de Itaú e Petrobras
Bolsa: carteira teórica do Ibovespa ganha ações da Minerva, Energisa e CPFL Energia; papéis da Smiles deixam índice (NurPhoto/Getty Images)
Bolsa: carteira teórica do Ibovespa ganha ações da Minerva, Energisa e CPFL Energia; papéis da Smiles deixam índice (NurPhoto/Getty Images)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 04/05/2020 às 15:14.

Última atualização em 04/05/2020 às 15:27.

A nova composição da carteira teórica do Índice Bovespa, divulgada nesta segunda-feira, 4, deixou de fora as ações da Smiles, empresa que administra o programa de milhas da GOL. Em seu lugar, entraram os papéis do frigorífico Minerva e das companhias de transmissão de energia CPFL Energia e Energisa, que terão participação de 0,2185%, 0,3398% e 0,7533%, respectivamente. A composição irá vigorar entre 4 de maio e 4 de setembro, quando será renovado.

Já as ações da Vale passaram a ser as com maior peso no índice - espaço antes ocupado pelos papéis do Itaú. Na nova carteira, os papéis da mineradora, passou a valer de 8,189% para 10,154%.

Em seguida, aparecem as ações preferenciais do Itaú, Bradesco e Petrobras, e as ordinárias B3, com respectiva participação de 7,414%, 5,611%, 5,610% e 5,405%. Somada com seus papéis ordinários, a Petrobras passou a ter participação de 9,3923%.

Se no Ibovespa as trocas foram sutis, o mesmo não ocorreu com o índice Small Caps, que recebeu 13 novas empresas. Somente a fabricante de armas Taurus foi tirada do índice. Em seu lugar, entraram as ações da Anima, Azul, BR Malls, C&A, Cogna, Dommo, Embraer, CSN, Sinqia, Via Varejo, Vivara e Yduqs.