Mercados

Renda fixa emergente perde US$ 1,6 bi na semana, diz RBS

O ritmo de saída aumentou em comparação à média recente e mostra maior cautela dos investidores

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de dezembro de 2013 às 13h01.

Londres - O mercado de renda fixa emergente voltou a perder recursos. Levantamento do mercado global feito pelo Royal Bank of Scotland (RBS) com dados da consultoria EPFR Global mostra que fundos de renda fixa emergente registraram saída líquida de US$ 1,6 bilhão na semana encerrada em 11 de dezembro.

O ritmo de saída aumentou em comparação à média recente e mostra maior cautela dos investidores com a perspectiva de reversão da política monetária dos Estados Unidos.

Segundo o levantamento, a retirada de recursos equivaleu a 0,67% da carteira na semana, ritmo maior que a média de saída de 0,47% observada nas últimas 29 semanas.

O movimento observado nos últimos dias reverte complemente o ingresso equivalente a 0,63% registrado na semana até 4 de dezembro. Segundo o RBS, carteiras de renda fixa emergente perderam recursos em 27 das últimas 29 semanas.

A pesquisa mostra que a saída de recursos foi liderada pelas carteiras que têm títulos em moeda local - como o real brasileiro ou o rublo russo. Nesse segmento, houve saída líquida de US$ 1 bilhão na semana, valor equivalente a 0,95% da carteira.

Esse foi o pior resultado em 15 semanas. Nos fundos que usam como referência moedas centrais - como o dólar norte-americano ou o euro - foi registrado fluxo negativo de US$ 534 milhões ou 0,53%. Também houve saída de investidores nas carteiras que usam cesta de moedas.

Por região geográfica, a Ásia liderou a saída de recursos, com captação negativa de 0,71%. Fundos na América Latina amargaram saques de 0,46% do total da carteira e a saída na Europa emergente somou 0,40%.

Acompanhe tudo sobre:aplicacoes-financeirasFundos de investimentofundos-de-renda-fixaPaíses emergentesrenda-fixaRoyal Bank of Scotland

Mais de Mercados

STJ determina indenização de R$ 5 bilhões à CSN por disputa na Usiminas

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, aumenta aposta no mercado de petróleo

Nvidia ultrapassa Microsoft e é a empresa mais valiosa do mundo

Petrobras (PETR4) aceita acordo tributário: isso impacta os dividendos?

Mais na Exame