Invest

Os maiores temores dos conselhos das empresas para 2024, segundo pesquisa da EY

Conselheiros iniciam ano preocupados com inflação, alta de custos e poder de precificação; para 82% dos conselheiros, análise de condições econômicas é prioridade

Conselho de Administração: condições econômicas e alocação de capital estão entre as prioridades para este ano (kzenon/Getty Images)

Conselho de Administração: condições econômicas e alocação de capital estão entre as prioridades para este ano (kzenon/Getty Images)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 5 de fevereiro de 2024 às 15h40.

Última atualização em 5 de fevereiro de 2024 às 16h04.

Nada tem aparecido como ponto de maior prioridade para os Conselhos de Administração de empresas do que a análise das condições econômicas. Isso é o que mostra um levantamento feito pela Ernest Young com 350 conselheiros das Américas, incluindo os do Brasil, Estados Unidos e México. A preocupação foi citada por 82% dos conselheiros entrevistados. A análise das condições econômicas também foi classificada como a maior prioridade no ano passado, mas em uma proporção menor, de 80%.

Quando perguntados sobre com o que estavam mais preocupados, 68% dos conselheiros citaram a inflação, alta de custos e poder de precificação. "Embora a inflação global caminhe continuamente para moderação neste ano, o processo será gradual. A atividade econômica continuará restrita pela pressão de custos e preços, levando os bancos centrais a manter uma postura restritiva de política monetária", afirmou a EY em pesquisa.

Uma boa alocação de capital ficou em segundo entre as prioridades para 2024, citada por 74% dos conselheiros. A pesquisa ainda aponta que o apetite global por fusões e aquisições caiu para o menor nível desde 2014, com apenas 35% dos CEOs planejando combinação de negócios neste ano. "aquisições se tornaram mais focadas no valor fundamental que o comprador pode alcançar por meio de sinergias, com o crescimento da receita sendo secundário à capacidade de impulsionar a relação custo-benefício", diz a EY. Entre os brasileiros, a alocação de capital foi classificada como a principal prioridade, sendo citada por 81% dos entrevistados.

"A disponibilidade e alocação de capital é uma preocupação histórica no Brasil, ainda mais com juro alto e, consequentemente, o custo mais elevado do dinheiro", afirma à Exame Invest Andréa Fuga, sócia-líder de avaliações, modelagem e consultoria econômica da EY para América Latina.

Prioridades emergentes

Mas o assunto que mais deveria ser debatido dentro dos conselhos, segundo os próprios conselheiros, é a segurança cibernética. Segundo 47% dos entrevistados, faltam informações e recursos para o tema dentro dos conselhos. Segurança cibernética também está entre as prioridades, citada por 68% dos conselheiros, 4 pontos percentuais a mais do que na pesquisa anterior, de 2023.

Alguns fatores aumentaram as preocupações dos conselhos com a segurança cibernética, de acordo com a EY. Entre eles, maiores exigências da SEC (a CVM americana), avanços da inteligência artificial, aumento do volume de ataques cibernéticos e mudanças geopolíticas. "A guerra na Ucrânia, o conflito no Oriente Médio e as tensões entre EUA e China podem criar condições nas quais os agentes estatais busquem aumentar seus ataques cibernéticos contra governos e setores da economia, impactando as operações e ameaçando a privacidade dos dados", diz a pesquisa.

Entre as prioridades ainda aparecem inovação e tecnologias (citada por 64%), agenda de talentos (56%) e desenvolvimentos regulatórios (49%).

Nenhuma prioridade aumentou mais para 2024, no entanto, do que a com a análise de riscos políticos. Dos entrevistados, 45% classificaram o risco político como uma das prioridades para este ano contra 29% na pesquisa do ano passado. Esse aumento, segundo Andréa Fuga, tem relação com as eleições americanas previstas para o fim deste ano. "No radar estão as relações dos Estados Unidos com a China e como isso pode afetar as empresas, exportações e consumo."

Menor preocupação com mudanças climáticas?

Do lado oposto, apenas 30% classificam as mudanças climáticas como uma das prioridades para 2024. O percentual representa uma queda de 8 pontos percentuais em relação à pesquisa de 2023. Porém, 42% dos conselheiros afirmaram que o tema precisa ser mais discutido dentro das empresas. "A percepção dos Conselhos é de que este é um tema mais para longo do que curto prazo, apesar de já haver impactos nos resultados das empresas."

Confira as últimas notícias de Invest:

Acompanhe tudo sobre:Conselhos de administração

Mais de Invest

INSS começa a pagar o 13º salário hoje; veja calendário

Balanços de Vale e Meta, reforma tributária, DPVAT, Fleury e Cielo: os assuntos que movem o mercado

Principais bolsas da Europa estendem ganhos da semana, com balanços e dado alemão no radar

"UBS não é grande demais para falir", diz presidente do banco

Mais na Exame