Acompanhe:

Mercado de juros foca em dados de emprego dos EUA

A primeira prévia do IGP-M de novembro abaixo da mediana das estimativas não aliviou a pressão

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Bovespa: às 9h39, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para abril de 2014 tinha taxa de 10,11%, ante 10,12%
 (Marcos Issa/Bloomberg)

Bovespa: às 9h39, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para abril de 2014 tinha taxa de 10,11%, ante 10,12% (Marcos Issa/Bloomberg)

R
Renata Pedini

Publicado em 8 de novembro de 2013 às, 10h30.

São Paulo - A primeira prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de novembro abaixo da mediana das estimativas não aliviou a pressão nos juros futuros, conforme o esperado, e as taxas abriram quase estáveis, à espera do relatório oficial de emprego dos Estados Unidos (payroll).

Os fatores que mantêm os juros nos níveis de quinta-feira, 7, são a inflação e o risco fiscal do ponto de vista interno. Externamente, os investidores aguardam os números norte-americanos para calibrar apostas para o desmonte de estímulos do Federal Reserve.

Na primeira prévia deste mês, o IGP-M confirmou a expectativa de desaceleração ao mostrar alta de 0,30%, ante 0,86% na primeira prévia de outubro. A leitura divulgada nesta sexta-feira, 8, pela Fundação Getulio Vargas (FGV) ficou aquém da mediana, de 0,35%, encontrada com base num intervalo que ia de 0,20% a 0,60%, de acordo com levantamento AE Projeções.

Dentro do indicador, de um lado, o IPC acelerou para 0,39%, de 0,25% no mesmo período. De outro, o IPA Agropecuário recuou 0,11%, depois de avançar 0,05% na primeira prévia de outubro. O IPA Industrial subiu 0,44%, menos que o 1,55% da primeira leitura do mês passado.

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou para 0,63% na primeira quadrissemana de novembro, também segundo a FGV. O resultado ficou 0,08 ponto porcentual acima do registrado na leitura imediatamente anterior (0,55%).

Em relação às contas públicas, os negócios continuam afetados pelo temor de um rebaixamento da nota de crédito do Brasil e comentários sobre avaliações do governo publicadas na imprensa podem realimentar o mau humor.

Somados, inflação, questão fiscal e dólar acima de R$ 2,30 fizeram com que a taxa futura para janeiro de 2015 se aproximasse na véspera de 11%. O mercado passou a precificar uma Selic perto de 12% no fim de 2014.

Às 9h39, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para abril de 2014 tinha taxa de 10,11%, ante 10,12% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2015 indicava 10,92%, ante 10,91%. No trecho mais longo da curva a termo, o DI para janeiro de 2017 apontava 12,01%, de 12,03% véspera e o DI para janeiro de 2021, 12,42% (12,43% ontem). O dólar, que oscila, é monitorado.

Últimas Notícias

Ver mais
PCE: índice de inflação nos EUA mantém queda e vai a 2,4% em janeiro
Economia

PCE: índice de inflação nos EUA mantém queda e vai a 2,4% em janeiro

Há 4 horas

Ibovespa agora: bolsa opera em queda de olho na inflação dos EUA
seloMercados

Ibovespa agora: bolsa opera em queda de olho na inflação dos EUA

Há 4 horas

Baixo crescimento do Brasil nas últimas décadas se deve a impostos e juros altos, diz Alckmin
Economia

Baixo crescimento do Brasil nas últimas décadas se deve a impostos e juros altos, diz Alckmin

Há 6 horas

Troca de comando na Suzano, inflação nos EUA e reforma tributária: os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Troca de comando na Suzano, inflação nos EUA e reforma tributária: os assuntos que movem o mercado

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais