Invest

Marfrig (MRFG3) reverte prejuízo e tem lucro líquido de R$ 62,6 milhões no 1º trimestre de 2024

O Ebitda subiu 94,8% ante o primeiro trimestre de 2023, de R$ 1,358 bilhão para R$ 2,646 bilhões

Marfrig (MRFG3): balanço do 1T24 mostra lucro líquido de R$ 62,6 milhões (Marfrig/Divulgação)

Marfrig (MRFG3): balanço do 1T24 mostra lucro líquido de R$ 62,6 milhões (Marfrig/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de maio de 2024 às 12h37.

A Marfrig (MRFG3) encerrou o primeiro trimestre de 2024 com lucro líquido de R$ 62,6 milhões, revertendo o prejuízo líquido de R$ 634 milhões de igual período de 2023, informou a companhia nesta quarta-feira, 15, depois do fechamento do mercado.

O Ebitda (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) subiu 94,8% ante o primeiro trimestre de 2023, de R$ 1,358 bilhão para R$ 2,646 bilhões. Já a margem Ebitda ficou em 8,7%, 4,1 pontos porcentuais acima de um ano antes. A receita líquida aumentou 3,8%, de R$ 29,258 bilhões para R$ 30,371 bilhões de janeiro a março deste ano.

A proteína bovina - foco das operações da Marfrig na América do Sul e na América do Norte - representou 56% da receita líquida total da empresa no trimestre. Produtos derivados de proteínas de aves e suínos - mercados nos quais a BRF está entre as líderes globais - tiveram participação de 44% nas vendas.

De acordo com a empresa, a dívida líquida fechou o primeiro trimestre de 2024 em R$ 36,209 bilhões, queda de 10% ante igual período de 2023. A alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado, passou de 3,50 vezes ao fim de março de 2023 para 3,43 vezes no término do primeiro trimestre deste ano. O fluxo de caixa operacional atingiu R$ 1,5 bilhão de janeiro a março. Os investimentos consolidados no primeiro trimestre foram de R$ 854,7 milhões.

Operações

A operação América do Norte, capitaneada pela National Beef, registrou receita líquida de US$ 2,830 bilhões, alta de 9,6% em relação a igual período de 2023. O Ebitda ficou em US$ 58 milhões, queda de 42,6%. A margem Ebitda da operação foi de 2,1% contra 3,9% um ano antes. O volume total comercializado pela unidade foi de 477 mil toneladas, alta de 2,4%. Do total, 415 mil toneladas foram destinadas ao mercado interno e outras 62 mil toneladas ao mercado externo.

Já na operação América do Sul, a receita líquida aumentou 11%, para R$ 3,078 bilhões no primeiro trimestre de 2024. O Ebitda alcançou R$ 290 milhões, alta de 7,4%, enquanto a margem Ebitda ficou em 9,6%. O volume de vendas foi de 165 mil toneladas, 13% maior na comparação anual. Foram 60 mil toneladas exportadas e 105 mil toneladas destinadas ao mercado interno.

A partir do primeiro trimestre de 2024, a administração da Marfrig passou a apresentar exclusivamente os resultados das operações continuadas na América do Sul (complexos industriais e unidades no Brasil, no Uruguai e na Argentina).

A companhia destacou que o resultado da BRF, com receita líquida de R$ 13,3 bilhões, Ebitda de R$ 2,1 bilhões e margem Ebitda de 15,9%, foi um dos impulsionadores do seu desempenho no primeiro trimestre de 2024.

Acompanhe tudo sobre:MarfrigBalançosMRFG3

Mais de Invest

Auxílio Reconstrução: pagamento de R$ 5.100 começa nesta quinta-feira; veja como sacar

Como declarar doações no Imposto de Renda 2024

Banco do Brasil suspenderá parcelas de consignado INSS para clientes do RS por 60 dias

Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto; veja como renegociar a dívida

Mais na Exame