Longa, moderada e dolorosa: como deve ser a próxima recessão nos EUA

Muitos observadores esperam que qualquer declínio seja muito menos doloroso do que a crise financeira de 2007 a 2009 e as recessões vistas na década de 1980
Recessão nos Estados Unidos: A economia simplesmente não está tão fora de controle quanto naqueles períodos anteriores (reuters/Reuters)
Recessão nos Estados Unidos: A economia simplesmente não está tão fora de controle quanto naqueles períodos anteriores (reuters/Reuters)
B
BloombergPublicado em 04/07/2022 às 10:58.

Recessões, como famílias infelizes, são dolorosas à sua maneira. E a próxima - que economistas veem como cada vez mais possível até o final do próximo ano - provavelmente confirmará isso. Uma desaceleração nos EUA pode ser modesta, mas também longa.

Muitos observadores esperam que qualquer declínio seja muito menos doloroso do que a crise financeira de 2007 a 2009 e as recessões vistas na década de 1980, quando a inflação também esteve tão alta. A economia simplesmente não está tão fora de controle quanto naqueles períodos anteriores, dizem.

Embora a recessão deva ser moderada, pode acabar durando mais do que as retrações de oito meses de 1990-91 e 2001. Isso porque a inflação elevada pode impedir o Federal Reserve de correr para reverter a recessão.

“A boa notícia é que há um limite para a gravidade”, disse Robert Dent, economista sênior para os EUA da Nomura Securities. “A má notícia é que vai ser prolongada.” O ex-analista do Fed de Nova York vê uma contração de aproximadamente 2% que começa no quarto trimestre e dura até o próximo ano.

Não importa a forma que o recuo tome, uma coisa parece certa: haverá muita dor quando vier. Nas 12 recessões desde a Segunda Guerra Mundial, em média, a economia contraiu 2,5%, o desemprego aumentou cerca de 3,8 pontos percentuais e os lucros das empresas caíram cerca de 15%. A duração média foi de 10 meses.

Mesmo uma desaceleração na extremidade mais leve do espectro provavelmente faria centenas de milhares de americanos - pelo menos - perderem seus empregos. O mercado de ações pode sofrer uma nova queda à medida que os lucros caem.

A profundidade e a duração da recessão serão amplamente determinadas pela persistência da inflação e pela quantidade de dor que o Fed está disposto a infligir à economia para reduzi-la a níveis que considere aceitáveis.

O assessor econômico-chefe da Allianz, Mohamed El-Erian, disse que está preocupado com um cenário semelhante ao dos anos 1970, no qual o Fed afrouxa prematuramente a política em resposta à fraqueza econômica antes de erradicar a inflação.

Tal estratégia prepararia o terreno para um declínio econômico mais profundo no futuro e uma desigualdade ainda maior, disse o colunista da Bloomberg Opinion. El-Erian já alertava no ano passado que o Fed estava cometendo um grande erro ao minimizar a ameaça inflacionária.

“Uma economia vacilante é quase inevitável”, disse Lindsey Piegza, economista-chefe da Stifel Nicolaus & Co. “A questão passou de se vamos ver uma recessão para qual será sua profundidade e duração.”

Mas há boas razões para esperar que o resultado não seja tão ruim quanto o início dos anos 1980, ou a crise financeira de 2007-09 -– episódios em que o desemprego disparou para níveis de dois dígitos.

Como observou Jan Hatzius, economista-chefe do Goldman Sachs, a inflação não está tão embutida na economia ou na psique dos americanos como estava Paul Volcker assumiu o comando do Fed em 1979, após uma década de fortes pressões sobre os preços. Portanto, não será necessária uma queda tão grande para o Fed atual trazer os preços para níveis mais aceitáveis.

O economista Robert Gordon calcula que a tarefa do Fed hoje requer cerca de metade da desinflação que Volcker teve que fazer a economia passar.

Além disso, consumidores, bancos e mercado imobiliário estão melhores posicionados para enfrentar a turbulência econômica do que antes da recessão de 2007-09.

“Os balanços do setor privado estão em boa forma”, disse Mateus Luzzetti, economista para os EUA do Deutsche Bank Securities.