Mercados

Kroton dispara 5% na Bolsa com cenário otimista para 2019

A companhia estimou que o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) deve crescer entre 1% e 5% este ano

Kroton: novas unidades serão abertas este ano (Germano Lüders/Exame)

Kroton: novas unidades serão abertas este ano (Germano Lüders/Exame)

Karla Mamona

Karla Mamona

Publicado em 23 de janeiro de 2019 às 15h10.

São Paulo - As ações da Kroton, empresa privada do setor de educação, registravam forte valorização na tarde desta quarta-feira. Por volta das 15h, os papéis subiam 5,35%, sendo negociados na casa dos R$ 10.

Em apresentação para analistas e investidores, a companhia estimou que o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) deve crescer entre 1% e 5% este ano. Já o lucro líquido deve ficar estável.

As estimativas não consideram os dados da Somos. Entretanto, a Kroton destaca que todos os indicadores serão ainda melhores quando incluída a companhia.

A Kroton informou ainda que a captação de alunos no ensino presencial e à distância para o primeiro semestre está estável, com 30% do processo concluído até o momento. Com relação ao preço dos cursos, a companhia afirmou que estão em alta de 1% a 5% no presencial e estáveis no EAD.

A companhia afirmou que vai cumprir estimativas de desempenho de 2018, incluindo um Ebitda ajustado de 2,275 bilhões de reais, queda de 7% lucro líquido ajustado de 1,94 bilhão, baixa de 13,4%; e margem Ebitda ajustada de 41,5% ante 44,1%em 2017.

Sobre o número de novas unidades de ensino, em 2019 deve subir de 112 para 183, após aberturas de 38 unidades em 2018 e expectativa de abertura de 27 neste ano. Em ensino a distância, a companhia espera ampliar a base de polos neste ano em até 950 unidades, chegando a 2.260, o que representa um potencial adicional de 540 mil alunos.

*com Agência Reuters

Acompanhe tudo sobre:bolsas-de-valoresCogna Educação (ex-Kroton)IbovespaMercado financeiro

Mais de Mercados

O que esperar do mercado após ataque a Trump

Cenário é potencialmente o mais perigoso desde a 2ª Guerra, diz Jamie Dimon, CEO do J.P. Morgan

Bancos abrem temporada de balanços em queda nos EUA; Wells Fargo despenca 7%

Ibovespa sobe pelo 10º pregão seguido e fecha próximo dos 129 mil pontos

Mais na Exame