Mercados

IPO de fertilizantes volta a ser estudado, afirma Vale

Para o diretor executivo de Finanças, a Vale tem quatro vezes o tamanho de 2009, quando eles tentaram fazer a oferta pública inicial de ações do setor pela primeira vez

O diretor acrescentou que a chegada de Murilo Ferreira para o comando da mineradora é um "excelente sinal de que não há uma intervenção governamental" na companhia (André Valentim/EXAME.com)

O diretor acrescentou que a chegada de Murilo Ferreira para o comando da mineradora é um "excelente sinal de que não há uma intervenção governamental" na companhia (André Valentim/EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 31 de maio de 2011 às 11h38.

Rio de Janeiro - O diretor executivo de Finanças da Vale, Guilherme Cavalcanti, afirmou hoje que a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da área de fertilizantes da mineradora voltou a ser estudada pela companhia. "(O tema) voltou à prancheta para estudo", contou o executivo, que participa hoje do seminário Rio Investors Day, no Rio de Janeiro.

Entretanto, Cavalcanti lembra que a situação hoje é bem diferente da vivida em 2009, quando a Vale anunciou pela primeira vez a intenção de fazer um IPO de seus ativos no setor. Hoje, a geração de caixa da companhia é quatro vezes maior do que em 2009, o que dá maior flexibilidade financeira para que a Vale possa realizar seus investimentos em fertilizantes. "O IPO hoje não é mais um fator crítico", explicou. Mesmo nesse novo cenário, a companhia decidiu revisitar o tema e agora estuda a possibilidade de fazer uma oferta pública de ações.

Investidores

O diretor executivo acrescentou que a chegada de Murilo Ferreira para assumir o comando da mineradora é um "excelente sinal de que não há uma intervenção governamental" na companhia. Ele lembra que Ferreira tem uma longa experiência no setor. Segundo Cavalcanti, esse currículo profissional já está contribuindo para diminuir a resistência dos investidores, especialmente os estrangeiros, que mostraram grande preocupação com os rumos da empresa após a sucessão no comando. Ele disse ainda que a defasagem entre o preços das ações da Vale e das concorrentes já começou a diminuir.

Entretanto, a valorização do real tem dificultado o trabalho da Vale fazer hedge (proteção) de seu caixa, segundo o diretor executivo de Finanças da mineradora. Ele lembra que a maior parte da receita da Vale vem de moedas estrangeiras, enquanto 65% de suas despesas são em reais. Esse descasamento fez com que a companhia iniciasse 2011 com uma necessidade de fazer hedge de U$ 30 bilhões, cifra que representa os custos e os investimentos necessários para o período.

Acompanhe tudo sobre:AçõesEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasExecutivosExecutivos brasileirosIPOsMercado financeiroMineraçãoMurilo FerreiraSiderúrgicasVale

Mais de Mercados

Como esta gestora brasileira surfou onda das bolsas americanas e rendeu 400% em 5 anos

"Se Lula indicar nome pior que Galípolo para o BC, o mercado entrará em pânico", diz Marilia Fontes

Ibovespa sobe e fecha acima dos 121 mil pontos com ajuda de Petrobras (PETR4) e Itaú (ITUB4)

PMIs da zona do euro e dos EUA, repercussão de falas do Lula e Sabesp: o que move o mercado

Mais na Exame