Mercados

Interesse pela bitcoin não é ameaça ao ouro, afirma Goldman

Toda a excitação em torno da bitcoin e o desempenho morno do ouro levantaram uma questão: Será que a moeda virtual está tirando demanda do metal precioso?

Ouro: valor de mercado total da bitcoin, na casa de US$ 275 bilhões, é minúsculo comparado ao do ouro, de US$ 8,3 trilhões (Mario Tama/ Getty Images/Getty Images)

Ouro: valor de mercado total da bitcoin, na casa de US$ 275 bilhões, é minúsculo comparado ao do ouro, de US$ 8,3 trilhões (Mario Tama/ Getty Images/Getty Images)

Karla Mamona

Karla Mamona

Publicado em 12 de dezembro de 2017 às 17h01.

Última atualização em 12 de dezembro de 2017 às 17h01.

(Bloomberg) -- Toda a excitação em torno da bitcoin e o desempenho morno do ouro levantaram uma questão: Será que a moeda virtual está tirando demanda do metal precioso?

A resposta é não, de acordo com o Goldman Sachs Group. Embora a bitcoin tenha apresentado enorme volatilidade e menos liquidez do que o ouro, o valor de mercado total da bitcoin, na casa de US$ 275 bilhões, é minúsculo comparado ao do ouro, de US$ 8,3 trilhões, segundo relatório escrito por analistas como Jeffrey Currie e Michael Hinds e divulgado em 11 de dezembro.

“Ainda que a falta de liquidez e a volatilidade maior possam manter o interesse na bitcoin, dificilmente convencerão investidores que procuram a diversificação e os benefícios de proteção que o ouro provou ter durante sua longa história”, escreveram os analistas.

O preço da bitcoin, que começou o ano ao redor de US$ 1.000, ultrapassou US$ 17.000 na segunda-feira, após o lançamento dos contratos futuros na bolsa Cboe Global Markets, no domingo. Já o ouro se apreciou menos de 10 por cento em 2017.

Os analistas apresentaram três argumentos que mostram que os investidores não estão trocando o ouro pela bitcoin: Os grupos de investidores são bastante diferentes: Quem usa fundos negociados em bolsa (exchange-traded funds ou ETFs), contratos futuros ou índices de commodities para aplicar em ouro está automaticamente coberto por regulamentos contra lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo.

Até mesmo as trocas físicas de joias, moedas e barras de ouro estão mais regulamentadas em nível global. Por outro lado, não está claro como a negociação de moedas virtuais poderá cumprir esses regulamentos, o que cria enormes impedimentos para investidores profissionais.

Não foram observadas saídas relevantes dos ETFs dedicados ao ouro: “Não há evidências de êxodo em massa do ouro”, segundo o relatório, e o total aplicado em ETFs garantidos pelo metal está perto do maior patamar desde maio de 2013.

As características dos mercados de ouro e moedas digitais são muito diferentes: A bitcoin tem oferta total matematicamente calculada, enquanto a oferta do ouro é incerta e finita na superfície terrestre. A dinâmica desses mercados é bem distinta, segundo os analistas. “A composição da demanda de bitcoin e ouro é a principal diferença. A bitcoin está atraindo recursos mais especulativos.”

 

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasETFsOuro

Mais de Mercados

Realização de lucros? Buffett vende R$ 8 bilhões em ações do Bank of America

Goldman Sachs vê cenário favorável para emergentes, mas deixa Brasil de fora de recomendações

Empresa responsável por pane global de tecnologia perde R$ 65 bi e CEO pede "profundas desculpas"

Bolsa brasileira comunica que não foi afetada por apagão global de tecnologia

Mais na Exame