Mercados

Inflação concentra as atenções do mercado na próxima semana

IPCA-15 e IGPM devem confirmar desaceleração da inflação

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de abril de 2010 às 19h08.

São Paulo - Os eventos domésticos relacionados à inflação devem concentrar as atenções da agenda econômica da semana que vem. Já na terça-feira, o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), prévia da inflação oficial, deve movimentar os investidores.

A expectativa é de que a alta dos preços comece a diminuir puxada principalmente pelos dados dos grupos de Alimentos e Serviços, que cresceram na última avaliação. No mesmo dia o mercado recebe a segunda prévia do  IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado).

Os indicadores devem confirmar a expectativa de recuo, analisa Eduardo Velho,  economista-chefe da Prosper Corretora. "O mercado já acredita na desaceleração da inflação", afirma.

Mundo

Nos Estados Unidos, a semana começa com o Indicadores Antecedentes (Leading Indicators) na segunda-feira, cuja estimativa de consenso, medido pela Briefing, é de elevação de 1%. O indicador agrupa informações de 10 estatísticas econômicas e é usado para identificar pontos de virada nos ciclos econômicos.

Outro destaque é a encomenda de bens duráveis na sexta-feira, estimadas em 0,2% para março. "Os dados, no geral, reafirmam a esperada recuperação da economia norte-americana e podem reverter um pouco do transtorno causado pela crise do Goldman Sachs", analisa Eduardo Otero, economista da Um Investimentos.

Fechando a agenda, Otero destaca também o PIB do primeiro trimestre de 2010 da Inglaterra. Esperado para sexta-feira, a expectativa é de expansão semelhante ao último trimestre de 2009.
 

Acompanhe tudo sobre:AçõesAgenda do diabolsas-de-valoresIndicadores econômicos

Mais de Mercados

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Após balanço, Nvidia (NVDC34) já vale mais que Amazon (AMZO34) e Tesla (TSLA34) juntas

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com cautela por política monetária

Gol (GOLL4) e Azul (AZUL4) disparam mais de 10% após anúncio de parceria para voos no Brasil

Mais na Exame