Inflação ao produtor dos EUA, 50 balanços com Magalu, JBS, B3 e Oi e o que mais move o mercado

Mercado internacional estende ganhos da véspera por dados de inflação abaixo do esperado nos Estados Unidos
Relatório financeiro: Dia será o mais agitado da agenda de balanços (deepblue4you/Getty Images)
Relatório financeiro: Dia será o mais agitado da agenda de balanços (deepblue4you/Getty Images)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 11/08/2022 às 07:20.

Última atualização em 11/08/2022 às 07:46.

Investidores internacionais dão continuidade à corrida para ativos de risco nesta quinta-feira, 11, ainda com resquícios do bom humor por dados de inflação abaixo do esperado nos Estados Unidos.

O Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) de julho, divulgado na véspera, desacelerou de 9,1% para 8,5% -- ante expectativa de queda para 8,7%.

Os números serviram de grande impulso para as bolsas de valores, com o Ibovespa encerrando o último pregão acima de 110.000 pontos pela primeira vez desde o início de junho. Nos Estados Unidos, o Índice Nasdaq saltou quase 3% e entrou tecnicamente em bull market, superando 20% de alta em relação à mínima do ano.

A forte alta foi reflexo não só da inflação mais baixa, mas também da perspectiva de que o Federal Reserve irá reduzir o ritmo de alta na próxima reunião para 0,50 ponto percentual. A probabilidade voltou a ser majoritária após os dados de quarta-feira, 10.

Nesta quinta, porém, o mercado deve voltar a se debruçar sobre a dinâmica da inflação americana, com divulgação do Índice de Preço ao Produtor (PPI, na sigla em inglês) às 9h30 nos Estados Unidos.

O consenso é de desaceleração de 11,3% para 10,4%. A tendência é de que o PPI dê um novo gás ao apetite ao risco, caso saia abaixo das projeções.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h20 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): + 0,30%
  • S&P 500 futuro (Nova York): + 0,18%
  • Nasdaq futuro (Nova York): + 0,08%
  • FTSE 100 (Londres): - 0,10%
  • DAX (Frankfurt): - 0,10%
  • CAC 40 (Paris): - 0,17%
  • Hang Seng (Hong Kong)*: + 2,40%
  • Shangai Composite (Xangai)*: + 1,60%

50 empresas divulgam resultados

Mas além do cenário macroeconômico, investidores também seguem atentos à parte micro das empresas, com a agenda de balanços pegando fogo.

O dia será o mais agitado da temporada de resultados do segundo trimestre, com a janela de divulgações se aproximando do fim. São cerca de 50 balanços previstos esta quinta.

Entre os resultados mais aguardados estão o das grandes varejistas de e-commerce, como Americanas (AMER3), Via (VIIA3), Magazine Luiza (MGLU3)e Enjoei (ENJU3). Das maiores da bolsa em valor de mercado, terá Raízen (RAIZ4), Natura (NTCO3), JBS (JBSS3), CCR (CCRO3), Cyrela (CYRE3), Marfrig (MRFG3) e a própria B3 (B3SA3), responsável pela administração da bolsa brasileira.

O dia ainda terá os balanços de Oi (OIBR3), Grupo Mateus (GMAT3), Cogna (COGN3), JHSF (JHSF3), Arezzo (ARZZ3), Vivara (VIVA3) e Sabesp (SBSP3) entre os mais esperados. Azul (AZUL4) apresentará seus números antes do início do pregão.

Reação aos balanços da última noite

A quinta também deverá ser de reação à série de balanços divulgados na noite passada. O Banco do BrasiL (BBAS3), o último entre os grandes de varejo a apresentar resultado, registrou o maior lucro líquido da noite: R$ 7,8 bilhões, 55% maior que o do mesmo período de 2021. Os balanços de Braskem (BRKM5), Equatorial (EQTL3), BRF (BRFS3), Minerva (BEEF3), Taesa (TAEE11) e Petz (PETZ3) também estiveram entre os mais importantes da última noite.

Veja também: