Ibovespa hoje: índice vai a 110 mil pontos e dólar cai após inflação sair abaixo do esperado nos EUA

Dados desta quarta reforçam expectativa sobre redução do ritmo de alta de juros do Fed
Painel de cotações da B3 (Germano Lüders/Exame)
Painel de cotações da B3 (Germano Lüders/Exame)
G
Guilherme Guilherme e Beatriz Quesada

Publicado em 10/08/2022 às 10:37.

Última atualização em 10/08/2022 às 17:18.

O Ibovespa subiu nesta quarta-feira, 10, acompanhando o tom positivo do mercado americano. O índice encerrou o dia acima da marca dos 110 mil pontos, o que não ocorria desde o final de junho. 

Nos EUA, dados da inflação americana provocaram uma onda de apetite ao risco no mercado internacional. 

O Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) de julho permaneceu estável em relação ao mês anterior, caindo de 9,1% para 8,5% na comparação anual. A expectativa era de queda para 8,7%.

A reação no mercado à queda da inflação americana foi imediata, com rali para ativos de risco, como bolsas de valores, moedas emergentes e até criptomoedas.

  • Dow Jones (Nova York): + 1,63%
  • S&P 500 (Nova York): + 2,13%
  • Nasdaq (Nova York): + 2,89%

O câmbio também reagiu, com o real negociando próximo da máxima em dois meses – na mínima, o dólar caiu mais de 1,5% para próximo de R$ 5,03. Ao longo do dia, a moeda arrefeceu as perdas e encerrou a sessão cotada a R$ 5,085. 

  • Dólar comercial: - 0,87%, R$ 5,085

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

O tom positivo foi motivado não só pela inflação mais baixa, mas pelo o que ela representa para as expectativas sobre a política monetária do Fed. As apostas de redução do ritmo de alta de juros passaram a ganhar força logo após a divulgação do CPI, com o mercado projetar a elevação de 0,5 ponto percentual na reunião de setembro como o cenário mais provável.

A probabilidade, que estava em 30% no início da manhã, saltou para acima de 60%, segundo monitor do CME Group, enquanto a chance de alta 0,75 p.p. caiu na mesma proporção.

"O CPI de julho é um alívio bem-vindo para a economia. Os mercados parecem concordar, com base na resposta positiva inicial dos ativos de risco aos dados", avaliaram economistas do Bank of America, em relatório. "Devemos ver mais desaceleração da inflação no futuro, embora os preços dos automóveis possam permanecer altos, já que a escassez de semicondutores provavelmente continuará até 2023."

O cenário favorável à tomada de risco beneficiou as ações de empresas de crescimento, mais sensíveis à variação da taxa de juros, além de companhias que vinham registrando quedas nos últimos pregões.

Os papéis do Banco Pan (BPAN4), por exemplo, saltaram mais de 8% após recuo de 5,63% na véspera. As ações repercutiram o balanço da companhia, divulgado na segunda-feira, 8.

Empresas de construção, com ciclo de negócio dependente de taxas mais baixas, também subiram nesta quarta.