Invest

Ibovespa sobe em dia de recuperação global dos mercados; dólar recua

Ações de frigoríficos são destaque de alta em meio ao agravamento de peste suína na China; JBS dispara quase 7%

Painel de negociações da B3 | Foto: Germano Lüders/Exame (Germano Lüders/Exame)

Painel de negociações da B3 | Foto: Germano Lüders/Exame (Germano Lüders/Exame)

BQ

Beatriz Quesada

Publicado em 20 de julho de 2021 às 17h24.

Última atualização em 20 de julho de 2021 às 18h19.

O Ibovespa se firmou no campo positivo nesta terça-feira, 20, após um pregão de fortes perdas na véspera e um início de sessão de forte volatilidade. O movimento acompanhou a recuperação do mercado americano, que registrou perdas significativas ontem em meio a temores sobre efeitos econômicos da variante delta do coronavírus. 

O principal índice da B3 subiu 0,81%, aos 125.401 pontos, se recuperando parcialmente da queda de 1,24% na véspera. Na semana, o Ibovespa acumula perdas de 0,43%.

Invista com o maior banco de investimentos da América Latina. Abra sua conta no BTG Pactual digital

Lá fora, as preocupações com o coronavírus continuaram, mas deram espaço para recuperação com os balanços corporativos do segundo trimestre surpreendendo positivamente. 

Os três índices americanos encerraram o dia em alta: o Dow Jones subiu 1,62%, o S&P 500 avançou 1,52% e o Nasdaq fechou o pregão com ganhos de 1,57%. Na Europa o dia também foi marcado pela retomada dos mercados, com o índice pan-europeu STOXX 600 encerrando o dia em alta de 0,52%.

O mesmo movimento foi observado no mercado de câmbio. O dólar, que chegou a ser negociado próximo de 5,30 reais nos primeiros negócios do dia, teve seu movimento de alta resfriado, com investidores voltando a olhar para opções mais arriscadas de investimento. 

A moeda americana caiu 0,37% contra o real, fechando a sessão negociada a 5,231 reais. Na segunda-feira, o dólar saltou 2,64%, a 5,251 reais na venda.

Destaques de ações

Os frigoríficos foram o destaque positivo do pregão, com JBS (JBSS3) e Marfrig (MRFG3) subindo 6,69% e 4,24%, respectivamente. BRF (BRFS3) e Minerva (BEEF3) apareceram pouco atrás, com respectivas altas de 1,71% e 1,6%. No radar dos investidores esteve o surto de peste suína na China, que pode aumentar a demanda por produtos das companhias brasileiras. 

De acordo com a Reuters, autoridades locais já admitem que o controle da situação está "complicado". Em 2018, a peste suína dizimou os rebanhos chineses, fazendo disparar a importação de carnes pelo gigante asiático. Em 2019, as ações brasileiras do setor foram um dos grandes destaques de alta.

Entre as maiores altas também estiveram as ações da holding das Lojas Americanas (LAME4), subindo 5,44%. Já as ações da Americanas (AMER3, junção das operações físicas das Lojas Americanas com a B2W) registraram o segundo dia de baixa, caindo 0,95%. Os papéis estiveram entre as maiores perdas do Ibovespa na última sessão, que marcou a estreia das ações AMER3 na bolsa -- e a saída da BTOW3, antigo código da B2W.

Embraer (EMBR3), Gol (GOLL4) e Azul (AZUL4) também fecharam em alta, subindo 5,9%, 3,51% e 2,98%, respectivamente. “Como hoje é um cenário de correção das fortes quedas de ontem, os setores que mais sofrem com a expansão da variante delta são também os setores que passam por maior correção. Vejo mais como uma leitura de fluxo de mercado do que um driver específico”, afirma Stefany Oliveira, analista da Toro Investimentos.

Na ponta negativa do índice, as maiores quedas foram das operadoras de saúde Hapvida (HAPV3) e Intermédica (GNDI3). As ações recuaram 3,02% e 2,36%, respectivamente, no dia em que a concorrente Oncoclínicas decidiu testar o mercado e levar à frente sua oferta pública inicial de ações (IPO). A empresa líder no tratamento de câncer na América Latina pretende captar 3,5 bilhões de reais.

Maiores altas

Maiores quedas

JBSJBSS3

6,69%

HapvidaHAPV3

-3,02%

EmbraerEMBR3

5,90%

NotreDame IntermédicaGNDI3

-2,36%

Lojas AmericanasLAME4

5,44%

MRVMRVE3

-1,99%

Entre as ações com mais peso do índice, as da Vale (VALE3) subiram 0,84% após recuarem pela manhã. Mais cedo, o preço dos papéis caiu, repercutindo o relatório de produção do segundo trimestre da mineradora, que ficou abaixo das expectativas de mercado.

No período, a empresa aumentou em 12% sua produção de minério de ferro para 75,7 milhões de toneladas, mas ficou abaixo do consenso de 78 milhões de toneladas. Embora a Vale tenha mantido a previsão de produção entre 315 e 335 milhões de toneladas, o número mais fraco tem levado investidores a reduzir suas estimativas para o piso do guidance.

Com o segundo maior peso índice, as ações da Petrobras (PETR3/PETR4) subiram 1,64% e 1,33%, respectivamente, acompanhando a recuperação do preço do petróleo no exterior. No início da semana, o petróleo Brent, referência para a política de preço da estatal, teve desvalorização superior a 6%, com incertezas sobre o nível da demanda e certeza de maior oferta após membros da Opep chegarem a um acordo para o aumento da produção. Nesta terça, a commodity chegou a cair mais 1,5%, mas zerou as perdas e subiu 1,46%.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

 

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valoresDow JonesIbovespaNasdaqS&P 500

Mais de Invest

O que são 'grupos de poupança' coreanos? Tipo de financiamento é comum em várias parte dos mundo

É recorde (quase) todo dia: o que explica o otimismo de investidores com as bolsas de Nova York

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2738; prêmio acumulado é de R$ 53 milhões

Quanto rende R$ 500 mil a 110% do CDI?

Mais na Exame