Mercados

HRT se volta para Toronto, Nova York depois de IPO em São Paulo

A HRT pretende listar suas ações no Canadá onde “as regulamentações são menos complexas”, no final de 2012, disse o presidente da empresa

Plataforma de petróleo (Divulgação/EXAME)

Plataforma de petróleo (Divulgação/EXAME)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de janeiro de 2011 às 20h23.

5 de janeiro (Bloomberg) -- A HRT Participações em Petróleo SA tem planos de listar suas ações em Toronto e Nova York, após captar R$ 2,33 bilhões em sua oferta pública inicial no ano passado. As operações fazem parte dos planos da companhia para viabilizar a exploração de petróleo em áreas que vão da Amazônia à África.

A HRT pretende listar suas ações no Canadá onde “as regulamentações são menos complexas”, no final de 2012, disse o presidente da empresa, Marcio Mello, em entrevista ontem na seda da Bloomberg, em Nova York. A companhia também quer listar suas ações na bolsa de Nova York em 2015, como parte de seus esforços para se tornar a maior empresa privada de energia do País, disse ele, que já trabalhou como geoquímico da Petróleo Brasileiro SA.

As empresas brasileiras estão vendendo ações, emitindo dívida e buscando parcerias para cobrir seus custos de exploração, como parte da campanha para explorar depósitos em águas profundas que incluem duas das maiores descobertas das Américas nos últimos 30 anos. A Petrobras vendeu US$ 70 bilhões em ações em setembro, na maior operação deste tipo da história. A OGX Petróleo & Gás SA, do bilionário Eike Batista, captou R$ 6,71 bilhões em sua oferta pública inicial em junho de 2008.

A HRT, que assim como a Petrobras e a OGX tem sua sede no Rio de Janeiro, teve alta de 53 por cento desde que suas ações começaram a ser negociadas em 25 de outubro. Os papéis tiveram alta de 4,1 por cento, para R$ 1.780 ontem, depois de Mello dizer que a Amazônia pode conter poços “super gigantes” de petróleo leve. Segundo ele, a Namíbia tem geologia semelhante à da Bacia de Santos, onde estão localizados os poços Lula, da Petrobras, e Libra, do governo brasileiro, as maiores descobertas de petróleo desde o campo mexicano de Cantarell, em 1976.

‘Enormes oportunidades’

“É difícil para mim comparar porque nós temos duas enormes oportunidades” com os ativos na Amazônia e na Namíbia, disse Mello ontem à Bloomberg TV.

A HRT tem participações majoritárias em 21 blocos exploratórios na Bacia do Solimões e cinco blocos em águas profundas na costa do país africano. A empresa vai perfurar 12 poços na Amazônia este ano e três poços na Namíbia no ano que vem, disse ele.
A empresa também pretende desmembrar suas ações negociadas em São Paulo tão logo as regras do Novo Mercado permitam, a partir de abril de 2012, ou 18 meses depois da oferta inicial, disse Mello.

No ano passado, companhias venderam um total de US$ 6,16 bilhões em ofertas públicas iniciais no Canadá, o maior valor desde 2006 e mais do que o triplo captado em 2009.

Depois de “fazer meu aquecimento em Toronto”, Mello disse que vai levar a HRT para Nova York. “Se eu tenho esse sonho de até 2015 ser a maior, tenho que estar na maior bolsa do mundo.”

Acompanhe tudo sobre:EnergiaIndústriaIndústria do petróleoIndústrias em geralIPOsMercado financeiroPetróleo

Mais de Mercados

"Se Lula indicar nome pior que Galípolo para o BC, o mercado entrará em pânico", diz Marilia Fontes

Ibovespa sobe e fecha acima dos 121 mil pontos com ajuda de Petrobras (PETR4) e Itaú (ITUB4)

PMIs da zona do euro e dos EUA, repercussão de falas do Lula e Sabesp: o que move o mercado

Elon Musk vai receber bônus de R$ 305 bilhões como remuneração de acionistas da Tesla

Mais na Exame