Mercados

Facebook e IPOs impulsionam preços de imóveis no Vale do Silício

Preços das casas subiram 20% em um ano na cidade de Palo Alto, sede do Facebook; no resto dos EUA venda das moradias segue em queda

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de junho de 2011 às 23h47.

São Francisco - O aumento de renda provocado por ofertas de ações do setor de tecnologia se espalha pelo Vale do Silício, no estado americano da Califórnia, e impulsiona os preços de imóveis residenciais nas cidades ao Sul de São Francisco.

O preço médio de uma casa em Palo Alto, sede do Facebook Inc., subiu para US$ 1,63 milhão em maio, uma alta de 20 por cento na comparação com o mesmo mês do ano passado, o maior salto desde 2008, segundo dados preliminares da empresa de pesquisa DataQuick. Em Mountain View, sede do LinkedIn Corp., o preço médio aumentou 3,1 por cento, para US$ 957.500, a nona alta anual em 12 meses.

Os aumentos contrastam com a queda de vendas de moradias nos Estados Unidos, que levou o valor médio do País ao menor nível em oito anos. As aberturas de capital, como a do LinkedIn, que dobrou no primeiro dia de negociações na Bolsa de Nova York, e a expectativa de que o Facebook também faça uma oferta de ações, vão acelerar ainda mais o aumento de preços em algumas cidades do Vale do Silício até 2013, disse Kenneth Rosen, economista da Universidade da Califórnia, em Berkeley.

“Esse é só o começo da história, eu suspeito que haja uma explosão nos próximos anos”, disse em entrevista por telefone Rosen, presidente do Fisher Center for Real Estate and Urban Economics da universidade. “São jovens com dinheiro, não é de se surpreender que eles queiram ter uma casa.”

Quase 300 empresas anunciaram IPOs este ano nos EUA, o maior número para todos os anos desde 2000, sendo que mais de 10 por cento delas estão na Califórnia, segundo dados compilados pela Bloomberg. O Vale do Silício abriga as empresas americanas iniciantes, que receberam quase 40 por cento dos US$ 23,3 bilhões em investimentos de fundos de capital privado no ano passado, segundo estimativas da National Venture Capital Association.

Acompanhe tudo sobre:CalifórniaEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaFacebookImóveisInternetRedes sociais

Mais de Mercados

Seis desdobramentos da reunião do Copom que manteve a Selic em 10,50%, segundo o BTG Pactual

Ibovespa abre em alta com mercado mais otimista após decisão do Copom

‘Banco dos restaurantes’: iFood quer dobrar de tamanho com lançamento do iFood Pago

Repercussão do Copom, decisão de juros na Inglaterra e Casas Bahia (BHIA3): o que move o mercado

Mais na Exame