Acompanhe:

Euro sobe com investidores que se preparam para alta de juros na UE

Os investidores esperam que o Banco Central Europeu aumente as taxas de juros pela primeira vez desde 2011

Modo escuro

Continua após a publicidade
Sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt, na Alemanha (Kai Pfaffenbach/Reuters)

Sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt, na Alemanha (Kai Pfaffenbach/Reuters)

C
Carlo Cauti

Publicado em 19 de julho de 2022 às, 12h04.

O euro está recuperando força em relação ao dólar após cair para a mínima em 20 anos na semana passada.

O euro está ganhando mais de 1% em no câmbio com o dólar, superando o US$ 1,02, com os investidores que esperam uma alta das taxas de juros por parte do Banco Central Europeu (BCE).

Os mercados estão precificando uma alta dos juros na UE, entre 0,25 e 0,50 pontos percentuais . Seria a primeira elevação das taxas de juros desde 2011, e poderia tirar os juros na Europa do território negativo.

A última vez que o BCE aumento os juros em 0,50 pontos foi em 2000.

Banco Central Europeu já sinalizou que vai elevar os juros na Zona do Euro

O Banco Central Europeu sinalizou amplamente que iria mudar a Deposit Facility, sua principal taxa de juros, para enfrentar a inflação recorde na Europa, que já alcançou 8,6% em junho.

Alguns países membros do euro - como os bálticos, onde a inflação está próxima de 20 por cento – já pediram publicamente um aumento de 0,50 pontos percentuais. Algo inusual na dialética do Banco Central Europeu.

O BCE tem como objetivo manter a taxa de inflação por volta de 2% ao ano na média tendencial.

Em 2014, o então presidente do BCE, Mario Draghi, decidiu levar os juros para o território negativo para estimular empréstimos e gastos em um momento de crise severa da zona do euro, provocada pelas incertezas sobre a solvência da dívida soberana dos países membros do bloco.

Entretanto, nesse contexto de inflação muito elevada - que em alguns países europeus como a Espanha já chegou em dois dígitos - o BCE está ficando atrás do Federal Reserve (Fed) e do Banco da Inglaterra em levar adiante uma política monetária restritiva.

Mas uma alta dos juros poderia desencadear uma desaceleração econômica na Europa, além de aumentar o desembolso dos países mais endividados no serviço da dívida.

Além disso, a instabilidade política na Itália, a terceira economia da União Europeia, e o risco de eleições antecipadas, poderiam afetar ainda mais a força conjuntural da moeda única europeia.

O debate entre os 25 membros do Conselho dos Governadores do Banco Central Europeu começa na quarta-feira, e refletir as crescentes preocupações do que a instituição monetária central europeia está atrás da curva da inflação.

Últimas Notícias

Ver mais
Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com tensões e dirigentes de BCs no radar
seloMercados

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com tensões e dirigentes de BCs no radar

Há 3 horas

Dólar abre com leve alta de olho em conflito Israel-Irã e queda de commodities
seloMercados

Dólar abre com leve alta de olho em conflito Israel-Irã e queda de commodities

Há 6 horas

Von der Leyen: Israel e Irã devem se abster de mais ações, por estabilidade regional
Mundo

Von der Leyen: Israel e Irã devem se abster de mais ações, por estabilidade regional

Há 9 horas

Dirigente do BCE afirma que instituição deve cortar juros na próxima reunião
Economia

Dirigente do BCE afirma que instituição deve cortar juros na próxima reunião

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais