Mercados

Dólar ronda estabilidade, após abrir em queda com exterior

Moeda americana retomou a trajetória de queda, após ter subido na sexta-feira (24) aos R$ 3,2302

Dólar: às 9h22 desta segunda, a moeda americana à vista caía 0,11%, aos R$ 3,2267 (iStock/Getty Images)

Dólar: às 9h22 desta segunda, a moeda americana à vista caía 0,11%, aos R$ 3,2267 (iStock/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 27 de novembro de 2017 às 09h58.

São Paulo - O dólar rondava a estabilidade na manhã desta segunda-feira, 27, após iniciar o dia em queda. A moeda americana operava com viés de baixa, em linha com a desvalorização do Dollar Index e da moeda americana em relação a divisas de países emergentes e ligadas a commodities, mas desacelerava as perdas há pouco.

A moeda americana retomou a trajetória de queda, após ter subido na Sexta-feira (24) aos R$ 3,2302, interrompendo uma série de seis dias de perdas acumuladas em 2,40% no período.

Lá fora, o iene se fortalecia ante o dólar, com investidores buscando segurança na moeda japonesa após mais um pregão negativo nas bolsas da China, em meio a preocupações com esforços de Pequim para reduzir riscos financeiros e com o elevado nível dos juros de bônus chineses.

Há também um clima de cautela antes da audiência de confirmação da nomeação de Jerome Powell à presidência do Federal Reserve (Fed), marcada para esta terça-feira, 28, no Senado americano.

Já o euro, após atingir máximas em dois meses mais cedo, se estabilizou com a notícia de que a aliança conservadora da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, só deverá iniciar conversas com o Partido Social-Democrata (SPD) para a formação de uma possível coalizão parlamentar no início do próximo ano.

Às 9h22 desta segunda, o dólar à vista caía 0,11%, aos R$ 3,2267. O dólar futuro para dezembro recuava 0,20%, aos R$ 3,2285. Em Nova York, o dólar recuava a 111,25 ienes no mesmo horário, de 111,60 ienes no fim da tarde de sexta-feira; o euro subia a US$ 1,1937, de US$ 1,1929 no fim da tarde de sexta, após chegar a ser negociado nesta segunda a US$ 1,1957, o maior patamar em dois meses.

Acompanhe tudo sobre:CâmbioDólarMercado financeiroMoedas

Mais de Mercados

Temores sobre interferência no BC são exagerados e dólar deve cair, diz Gavekal Research

Seis desdobramentos da reunião do Copom que manteve a Selic em 10,50%, segundo o BTG Pactual

Ibovespa tem leve alta e dólar sobe a R$ 5,46 com Lula e Copom no radar

‘Banco dos restaurantes’: iFood quer dobrar de tamanho com lançamento do iFood Pago

Mais na Exame