Mercados

Depois de disparar 60%, Mahle ainda agrada Itaú BBA

Analista recomenda compra e destaca pagamento de dividendos historicamente alto

Nos últimos 12 meses, o desempenho da Mahle na Bovespa mostra uma forte valorização de 60% (Divulgação)

Nos últimos 12 meses, o desempenho da Mahle na Bovespa mostra uma forte valorização de 60% (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de julho de 2012 às 12h24.

São Paulo – O Itaú BBA revisou suas estimativas sobre as empresas fornecedoras de peças para o setor automotivo. A analista Renata Faber recomenda a compra das ações da Autometal (AUTM3) e da Mahle Metal Leve (LEVE3).

O preço-alvo às ações da Autometal foi mantido em 17,50 reais, um potencial de valorização de 19,6%. Já a projeção aos papéis da Mahle foi fixada em 25 reais, 23% a mais que o preço atual.

A analista destaca que a Autometal conta com um valor de mercado descontado e uma posição financeira saudável, o que pode resultar em novas aquisições. “A Autometal possui também diversificação de mercado e não é altamente dependente de um produto ou cliente”, diz a Renata.

No entanto, entre as duas empresas analisadas, Renata tem preferência pela Mahle. Dentre os motivos para o otimismo estão o pagamento de dividendos historicamente alto, a base de clientes diversificada e a sólida relação com as montadoras.

Mahle X Autometal

Nos últimos 12 meses, o desempenho da Mahle na Bovespa mostra uma forte valorização de 60%, enquanto os papéis da Autometal se mostram bastante próximos da estabilidade, com leve alta de 0,10%.

Considerando o ano de 2012, a performance da Mahle também é superior, com valorização de 50%. No mesmo período, a Autometal avançou 9%.

Acompanhe tudo sobre:Análises fundamentalistasAutometalB3bolsas-de-valoresEmpresasEmpresas alemãsEquipamentos e peçasMahleMáquinas e peçasMercado financeiro

Mais de Mercados

Cenário é potencialmente o mais perigoso desde a 2ª Guerra, diz Jamie Dimon, CEO do J.P. Morgan

Bancos abrem temporada de balanços em queda nos EUA; Wells Fargo despenca 7%

Ibovespa sobe pelo 10º pregão seguido e fecha próximo dos 129 mil pontos

Balanços de bancos americanos, PPI dos EUA e pesquisa de serviços do Brasil: o que move o mercado

Mais na Exame