Acompanhe:

Alerta de lucro menor derruba Walmart, Amazon e Target no after market

Ações da varejista registravam queda de 10% após a sessão regular de mercado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Walmart: inflação de alimentos e combustíveis faz americano colocar pé no freio na hora de gastar (Getty Images/Getty Images)

Walmart: inflação de alimentos e combustíveis faz americano colocar pé no freio na hora de gastar (Getty Images/Getty Images)

G
Graziella Valenti

Publicado em 25 de julho de 2022 às, 22h15.

Última atualização em 25 de julho de 2022 às, 22h16.

A rede de varejo Walmart (WMT), uma gigante que no ano passado teve receita líquida de quase US$ 570 bilhões e lucro líquido de US$ 13,5 bilhões, deu más notícias aos investidores nesta segunda-feira, 25, após o fechamento do mercado. A companhia, que estimava uma redução simbólica de 1% em seu lucro operacional para 2022, agora atualizou as projeções para uma queda entre 11% e 13%. Considerando apenas o trimestre, o alerta é para um tombo ainda maior, de 13% a 14%.

Trata-se do segundo alerta em 10 semanas, o que demonstra uma deterioração do ambiente macroeconômico americano, como o mercado tanto temia. Como era de se esperar, os investidores não esperaram a reabertura amanhã para começar a ajustar os preços em bolsa. Os papéis caíam 10% no after market.

De acordo com a empresa, a redução esperada se deve ao cenário de inflação que está levando os consumidores a colocarem o pé no freio na hora de gastar. “O aumento nos níveis de inflação para alimentos e combustíveis está afetando a forma como a população gasta seu dinheiro”, nas palavras de Doug McMillon, CEO da rede.

A novidade está pesando também sobre os papéis da Target e da Amazon, que mostram queda nas cotações de 5% e 4%, respectivamente. O efeito contágio vem não só das novas expectativas, mais pessimistas, mas do contexto econômico do país, e do mundo.

Burt Flickinger, diretor do Strategic Resource Group, ao comentar a novidade. “As varejistas [americanas] vão enfrentar um desastre de trem”, comentou ele, sobre o desempenho neste ano, de acordo com a agência de notícias Reuters. Dados do U.S. Census Bureau mostram que em abril as companhias de varejo estavam com seus estoques nos níveis mais elevados desde o ano 2.000.

Segundo McMillon, apesar de o Walmart estar conseguindo “progresso” na redução dos estoques de algumas categorias de bens duráveis, como utensílios e eletrodomésticos, por meio de alguns ajustes de preços, está tendo de fazer contínuas remarcações em roupas, por exemplo.

A combinação de preços menores, para queima de estoque, e menor demanda, podem fazer, segundo a companhia, com as que as vendas nos Estados Unidos caíam mais do os 6% esperados.

Últimas Notícias

Ver mais
O que se sabe sobre o projeto Maven, o programa militar de IA dos EUA
Inteligência Artificial

O que se sabe sobre o projeto Maven, o programa militar de IA dos EUA

Há 4 horas

Inflação nos EUA: o que esperar do PCE de janeiro - e por que é decisivo para os juros americanos?
seloMercados

Inflação nos EUA: o que esperar do PCE de janeiro - e por que é decisivo para os juros americanos?

Há 15 horas

EUA, Guatemala e México se reúnem para interromper migração irregular
Mundo

EUA, Guatemala e México se reúnem para interromper migração irregular

Há 17 horas

Secretária dos EUA parabeniza Haddad por reforma tributária 'realmente histórica'
Economia

Secretária dos EUA parabeniza Haddad por reforma tributária 'realmente histórica'

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais