A estratégia da Quantitas, carteira líder em retorno na EXAME em 2021

Conheça as carteiras recomendadas que tiveram a maior rentabilidade no ano passado entre 16 bancos e corretoras
Wagner Salaverry, da Quantitas: carteira recomendada da gestora entregou ganhos acima de 10% em um ano no qual o Ibovespa registrou queda de 11,92% | Foto: Divulgação (Quantitas/Divulgação)
Wagner Salaverry, da Quantitas: carteira recomendada da gestora entregou ganhos acima de 10% em um ano no qual o Ibovespa registrou queda de 11,92% | Foto: Divulgação (Quantitas/Divulgação)
Marília Almeida
Marília Almeida

Publicado em 14/01/2022 às 06:45.

Última atualização em 14/01/2022 às 07:47.

2021 foi um ano desafiador para gestores e estrategistas. O Ibovespa, índice de referência da bolsa brasileira, encerrou o ano com queda de 11,92%. Foi o primeiro recuo anual desde 2015. Das 92 ações que faziam parte do índice ao fim do ano, somente 25 encerraram os 12 meses com valorização acumulada no período.

Mas, ainda assim, foi possível extrair ganhos e chegar ao fim do ano com valorização da carteira. Foi o que demonstrou a Quantitas, que apresentou a melhor performance entre os 16 bancos, corretoras e gestoras que, ao longo de 2021, entregaram a cada início dos 12 meses do ano um portfólio contendo 10 recomendações.

A carteira da Quantitas, gestora com sede em Porto Alegre, encerrou 2021 com valorização de 10,31%.

Saiba onde investir em 2022: conheça as recomendações dos especialistas do BTG Pactual

Das 16 carteiras que chegaram ao fim do ano, oito registraram desempenho acima do principal índice da bolsa (cuja queda foi de 11,92%), das quais cinco com rentabilidade positiva. Veja a lista completa no fim da matéria.

Todas as carteiras tiveram a mesma quantidade de ações negociadas na bolsa brasileira, a B3, para permitir uma comparação de desempenho. Os papéis indicados no início de cada mês só puderam ser substituídos no período seguinte.

O objetivo da EXAME Invest com o levantamento é apresentar ao investidor a visão de profissionais sobre quais são as ações com as melhores perspectivas de ganhos a cada início de mês, auxiliando na missão de stock picking.

A estratégia da Quantitas

A performance da Quantitas, que tem 4,3 bilhões de reais sob gestão e cinco fundos para o investidor de varejo, se deu em boa medida em cima da aposta em ações de varejistas, com valorização destacada no primeiro semestre.

Wagner Salaverry, sócio e gestor de renda variável da Quantitas, diz que, além do varejo, a aposta na Ambipar (AMBP3) reforçou a performance da carteira. A empresa, que estreou na B3 em julho de 2020, realizou uma série de aquisições em 2021, reforçando a sua capacidade de crescimento e as áreas de atuação. A ação subiu 60% no ano.

Na visão de Salaverry, a companhia, que atua em diversos segmentos para oferecer serviços e produtos voltados à gestão ambiental, é um caso clássico de ação de crescimento.

"Começamos a investir na ação no fim de 2020 e o papel chegou a valer 22 reais em março. Fomos comprando no fundo até o preço atingir 42 reais, quase o dobro do preço mínimo", contou.

Outro papel que teve papel importante na performance da carteira da Quantitas no ano passado foi o da SLC Agrícola (SLCE3). "Mas notamos que os preços das commodities avançaram muito e resolvemos retirá-la da carteira no segundo semestre", explicou o gestor sobre a visão mais recente para o papel.

Perspectivas e estratégia para 2022

Na visão dos analistas da Quantitas, as ações de empresas do varejo continuam com descontos em relação ao preço potencial. "Estamos apostando na recuperação do varejo. Acreditamos que as empresas nas quais investimos estão ganhando mercado sobre pequenas e médias empresas", afirmou o gestor.

Entre os papéis investidos pela gestora e que representam 45% da carteira estão Renner (LREN3), Guararapes (GUAR3), Grendene (GRND3) e SBF (SBFG3), grupo que controla a Centauro. Este é um papel que foi retirado da carteira ao longo do ano e que, no fim de 2021, foi recolocado. "No primeiro momento, acreditamos que o papel havia valorizado bastante. Mas, como a ação caiu cerca de 40% desde o pico, voltamos a ver uma oportunidade."

Por fim, como forma de equilibrar o portfólio, a Quantitas investe 30% da carteira em um setor mais defensivo: o de medicamentos, representado por papéis da Hypera (HYPE3) e da Blau Farmacêutica (BLAU3).

A estratégia da Quantitas, diz Salaverry, pode ser resumida em bons ativos a preços atrativos.

"A volatilidade da bolsa brasileira é tão grande que temos de nos manter atentos porque os preços mudam rapidamente. Se ficarmos com a carteira parada muito tempo, a chance de perdermos uma oportunidade ou de ficarmos expostos a um viés negativo é bem razoável", afirma o gestor.

Confira o desempenho das 16 carteiras recomendadas ao longo de 2021:

Fique por dentro das notícias que afetam o seu bolso. Assine a EXAME