Invest

A empresa que pode desbancar a Apple e se tornar a mais valiosa do mundo

Os papéis da Apple refletem a redução dos gastos dos consumidores com entretenimento doméstico e a reabertura das economias

Apple: a empresa está sob pressão, já que investidores mostram cautela em relação ao preço elevado das ações de tecnologia (Costfoto/Barcroft Media/Getty Images)

Apple: a empresa está sob pressão, já que investidores mostram cautela em relação ao preço elevado das ações de tecnologia (Costfoto/Barcroft Media/Getty Images)

B

Bloomberg

Publicado em 6 de outubro de 2021 às 12h35.

A Saudi Aramco está perto de reivindicar a posição de empresa mais valiosa do mundo, que ainda pertence à Apple.

As ações da estatal de petróleo da Arábia Saudita disparam com o aumento dos preços da energia, o que elevou seu valor de mercado para US$ 2 trilhões, pouco abaixo da Apple, avaliada em US$ 2,3 trilhões.

Os preços das ações das duas gigantes são um símbolo das mudanças na economia global este ano. Os papéis da Apple refletem a redução dos gastos dos consumidores com entretenimento doméstico e a reabertura das economias. Essa atividade de transporte tem impulsionado os preços do petróleo, o que ajuda diretamente os resultados financeiros da Aramco.

Há motivos para acreditar que a ação da Aramco possa continuar o rali. Analistas do Bank of America disseram que a crise energética global poderia elevar as cotações do petróleo acima de US$ 100 o barril pela primeira vez desde 2014.

Ao mesmo tempo, a Apple está sob pressão, já que investidores mostram cautela em relação ao preço elevado das ações de tecnologia em meio ao aumento dos rendimentos dos títulos.

Acompanhe tudo sobre:Applebolsas-de-valoresNasdaqPetróleoSaudi Aramco

Mais de Invest

"Mercado precifica cenário de quase crise fiscal no Brasil, que não é verdade", diz Mansueto Almeida

Ibovespa opera em queda após IPCA-15 e PIB dos EUA vierem acima do esperado

IA transforma tarefas em Wall Street, mas profissionais ainda estão céticos

Stellantis tem queda de 48% no lucro líquido do 1º semestre

Mais na Exame