Live icon 

ELEIÇÕES 2022:  

Lula e Bolsonaro vão disputar o segundo turno Veja agora.

Previdência Privada: vale a pena investir?

A previdência Privada vem se tornando uma das opções mais procuradas para quem procura investimento em longo prazo.
D
Da RedaçãoPublicado em 08/09/2020 às 17:04.

Com as incertezas no mercado econômico brasileiro, várias pessoas vêm buscando por alternativas para complementar sua renda no futuro. Diante desta situação, a Previdência Privada vem se tornando uma das opções mais procuradas para quem procura investimento em longo prazo bastante versátil.

O que é Previdência Privada?

A Previdência Privada é conhecida como uma opção de aposentadoria que não possui ligação com o sistema INSS. Em muitos casos, esta previdência acaba funcionando como um complemento da previdência pública.

Apesar deste serviço financeiro ser voltado para a aposentadoria, ele também costuma ser procurado por pessoas que desejam um complemento para conquistar objetivos de longo prazo, como:

  • Pagar estudos dos filhos;
  • Realização de uma viagem ou intercâmbio;
  • Compra de um imóvel.

É possível encontrar no mercado várias opções de previdência privada e, com isso, os interessados podem avaliar qual a melhor alternativa de acordo com os seus objetivos e projeções futuras.

Como funciona a previdência privada

Para entender como funciona a previdência privada, é preciso dar um passo atrás para compreender as diferenças entre fundos de previdência e planos de previdência.

Podemos considerar os planos da previdência como produtos que os investidores contratam por meio dos bancos e corretoras, já os fundos são veículos de investimento em si.

Basicamente, funciona da seguinte forma: você contrata um plano de previdência privada, onde o recurso aplicado vai ser alocado em um fundo de previdência.

Cada plano de previdência possui um responsável por gerir a carteira de investimento. Então, esse gestor escolhe os ativos para ser comprados ou vendidos, ajudando assim a melhorar os resultados do investimento.

Antes de escolher a sua previdência privada, é de extrema importância que seja feita uma avaliação sobre seu potencial. Apenas com esta análise você conseguirá escolher o plano que melhor se adequa às suas necessidades.

Conheça os tipos de previdência privada

No mercado é possível escolher entre dois tipos de plano de previdência privada: PGBL e VGBL.

Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL)

Este plano da previdência privada é recomendado para os investidores que possuem alto volume de renda, assim, é possível utilizar este plano na base de cálculo da dedução do Imposto de Renda.

Os investidores que são tributados na fonte e declaram seu IRPF pelo formulário completo, ao começar a usufruir dos benefícios do PGBL, vão precisar pagar imposto sobre o valor total da aplicação e não somente sobre o rendimento.

Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL)

O plano de previdência privada VGBL é conhecido como um seguro pessoal de quem investe e faz suas contribuições regulares. Com isso, a tributação do Imposto de Renda incide apenas sobre a rentabilidade do patrimônio investido.

Então, se você realizou uma aplicação no total de R$800.000,00 em um plano VGBL, e no prazo final você ficou com R$1.000.000,00, por exemplo, será cobrado o imposto de renda sobre o rendimento, que foi de R$200.000,00.

Este tipo de previdência privada é muito procurado por pessoas que pretendem investir mais do que 12% da sua renda anual tributável.

Vantagens e desvantagens da previdência privada

Mesmo que a previdência privada seja um investimento com baixo risco, focado no planejamento de longo prazo, existem alguns fatores que podem comprometer a sua rentabilidade.

Diante disso, separamos algumas vantagens e desvantagens deste tipo de investimento. Confira:

Vantagens

  • Ótima opção para quem possui dificuldade em poupar dinheiro.
  • Existe a possibilidade de pedir a portabilidade da previdência privada para outras instituições financeiras.
  • Dependendo do tipo de previdência privada escolhida, é possível fazer o abatimento do rendimento no Imposto de Renda. · É uma alternativa para quem deseja complementar a aposentadoria do INSS.
  • Ao final do prazo do investimento, é possível resgatar o valor integral ou em parcelas mensais.

Desvantagens

  • Os impostos e taxas cobradas podem ser um pouco elevados, principalmente no curto prazo.
  • Comparado a outros investimentos em renda fixa, a rentabilidade oferecida costuma ser mais baixa.
  • Não possui seguro do FGC, oferecendo risco na quebra da instituição financeira.
  • A tributação do Imposto de Renda é alta, dependendo do prazo de investimento, se comparada a outros investimentos em renda fixa.

Mesmo com o conhecimento dos pontos positivos e negativos deste investimento, não deixe de buscar informações de todas as regras e características do plano de previdência. Apenas com esta avaliação minuciosa será possível entender se este investimento realmente se encaixa ao seu planejamento e objetivo.

Vale a pena investir na previdência privada?

Apesar da Previdência Privada ser um investimento bastante popular entre os brasileiros, ainda podemos esbarrar com pessoas que possuem dúvidas se esta aplicação realmente vale a pena.

No geral, a utilização da previdência privada como investimento de longo prazo, pode ser uma boa aposta. Entretanto, indicamos que seja feita uma avaliação sobre todas as condições antes de fechar o contrato. Outro ponto é observar se este tipo de investimento condiz com seus objetivos e expectativas de rentabilidade.

Caso a meta seja investir em curto e médio prazo, a previdência pode não ser uma opção interessante. Existem alternativas no mercado de investimentos que apresentam indicadores melhores sobre a rentabilidade e liquidez.

Uma sugestão são as aplicações em renda fixa, que são conhecidas pelo baixo risco, já que os investidores conhecem ou podem prever a rentabilidade, antes mesmo de realizar a operação. Interessou? Então clique aqui para entender o funcionamento deste investimento.