Acompanhe:

Mulheres em cargos de liderança ganham, em média, 23% a menos que homens

Um levantamento feito pela Catho aponta que único cargo em que mulheres têm salário maior é o de assistente

Modo escuro

Continua após a publicidade
Desigualdade de gênero: ouvir “a chefe” tem sido cada vez mais comum nas empresas, graças aos avanços no debate sobre a equidade de gênero (Feodora Chiosea/Getty Images)

Desigualdade de gênero: ouvir “a chefe” tem sido cada vez mais comum nas empresas, graças aos avanços no debate sobre a equidade de gênero (Feodora Chiosea/Getty Images)

D
Da Redação

Publicado em 20 de outubro de 2020 às, 12h32.

Última atualização em 20 de outubro de 2020 às, 12h56.

A pandemia da covid-19 está mudando a vida de todos. Com o distanciamento social, as dinâmicas de trabalho se alteram, as crianças deixam de ir à escola e até o ato de fazer compras está diferente. Nesse cenário, especialistas apontam que as mulheres são especialmente afetadas. Um dos motivos é a atribuição dos serviços domésticos não remunerados, ou seja, os cuidados da casa e da família, que se tornam ainda mais intensos. Para elas, em 2019 esse cuidado tomou 21 horas semanais, uma diferença de cerca de 10 horas a mais do que os homens.

Mas com a retomada ao trabalho, as coisas não serão totalmente resolvidas. Ouvir “a chefe” tem sido cada vez mais comum nas empresas, graças aos avanços no debate sobre a equidade de gênero, o equilíbrio de espaços e direitos no mercado de trabalho, mas a realidade ainda está longe do ideal. É o que aponta levantamento da Catho com mais de 10 mil participantes.

Segundo os dados do estudo, mulheres em cargos de liderança como gerentes e diretoras ganham, em média, 23% a menos do que homens nas mesmas posições. O salário desigual também é visto nos cargos de coordenador (-15%), especialista graduado (-35%), analista (-34%), especialista técnico (-19%) e operacional (-13%). A exceção é a posição de assistente em que mulheres costumam receber 2% a mais.

"Os dados mostram que embora a disparidade tenha diminuído em alguns cargos em relação à última pesquisa divulgada pela Catho, a desigualdade salarial entre os gêneros ainda é muito latente e requer esforços genuínos das empresas. O caminho certamente começa pelo debate, mas precisamos de mais ações e políticas concretas de inserção e de igualdade de condições, para que efetivamente seja possível sanar esse grande problema social", destaca Patricia Suzuki, diretora de Gente e Gestão da Catho.

A analista de ESG da Exame Research, Renata Faber, explica como a equidade de gênero é considerada no ESG. “É absurdo pensar que, em alguns casos, uma mulher ganha menos que um homem para realizar a mesma função. O fato de estarmos discutindo isso, mostra que infelizmente existe um preconceito no mundo corporativo. As empresas com alto padrão ESG valorizam a diversidade, e não tem nenhuma diferença salarial para o mesmo cargo em função do gênero”, disse a especialista.

O levantamento ainda mostra que a remuneração também é desigual em todos os níveis de escolaridade. Profissionais do gênero feminino com pós-graduação, MBA ou especialização, chegam a receber 47% a menos em relação aos homens.

"Maioria da população brasileira, as mulheres são chefes e responsáveis pelos sustento de 45% das famílias no país, por isso que apoiar essa luta é contribuir positivamente para a sociedade como um todo. A Catho sabe disso e se posiciona como aliada das mulheres nessa caminhada por direitos", conclui Patricia Suzuki.

Uma pesquisa da consultoria e auditoria PwC estima que a equalização dos ganhos entre homens e mulheres nos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) pode aumentar o produto interno bruto em 6 trilhões de dólares. Já o Fundo Monetário Internacional aponta que a eliminação das desigualdades de gênero no trabalho, o aumento do tempo de permanência das mulheres no emprego e a chegada a posições de liderança beneficiariam toda a população, com um aumento de 35% no PIB global.

“Algumas empresas já entenderam que a diversidade gera criatividade e inovação, e isso gera valor; por isso empresas já estão trabalhando para aumentar a diversidade em seus quadros. Uma empresa que almeja ter um time diverso, tem que ter paridade salarial entre homens e mulheres – caso contrário, as mulheres vão sair em busca de empresas onde o gênero não influencie na sua remuneração. Se você quer ter os melhores profissionais, independente do gênero, tem que pagá-los como os melhores”, conclui Faber.

Últimas Notícias

Ver mais
Pobreza e desigualdade precisam ser enfrentados como problemas globais, diz Haddad no G20
Economia

Pobreza e desigualdade precisam ser enfrentados como problemas globais, diz Haddad no G20

Há 6 horas

Varejos que oferecem possibilidade de doar para causas sociais são mais bem vistos por consumidores
ESG

Varejos que oferecem possibilidade de doar para causas sociais são mais bem vistos por consumidores

Há 9 horas

Confira 5 estratégias para atrair e reter talentos femininos nas empresas
Um conteúdo Bússola

Confira 5 estratégias para atrair e reter talentos femininos nas empresas

Há 2 dias

Sintomas da menopausa afetam trabalho das mulheres e apoio na empresa é fundamental, diz Korn Ferry
ESG

Sintomas da menopausa afetam trabalho das mulheres e apoio na empresa é fundamental, diz Korn Ferry

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais