Inteligência Artificial

Startup liderada por ex-Tesla recebe US$ 31 milhões para desenvolver alternativas ao ChatGPT

Em rodada de investimento liderada pela Khosla Ventures, a Symbolica busca inovar na arquitetura de modelos de inteligência artificial

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 9 de abril de 2024 às 13h45.

Última atualização em 9 de abril de 2024 às 16h11.

Nesta terça-feira, 9, a Symbolica, uma startup emergente no campo da inteligência artificial (IA), anunciou a conclusão de uma rodada de financiamento série A, acumulando um total de US$ 31 milhões em investimentos. O aporte foi liderado pela Khosla Ventures, com a participação significativa de outros investidores notáveis no setor tecnológico, como General Catalyst, Abstract Ventures e Buckley Ventures.

Sob a liderança de George Morgan, ex-funcionário da Tesla e agora CEO da Symbolica, a empresa propõe um desafio ao status quo do mercado de IA, trabalhando em um framework destinado a oferecer alternativas à arquitetura de aprendizado profundo utilizados pelas IAs.

George Morgan: CEO da Symbolica (AFP)

Contrapondo-se à tendência de investimentos massivos em capacidade computacional e dados para treinamento, característica de gigantes do setor como a OpenAI, apoiada pela Microsoft, Morgan destaca uma visão crítica da eficácia dessa abordagem. Segundo ele, a indústria de IA precisa reavaliar sua dependência a um único modelo de IA e considerar auternativas para diferentes cenários e necessidades.

Enquanto prepara o terreno para inovações futuras, a Symbolica planeja lançar seu primeiro produto, um assistente de codificação, apenas no início de 2025. O período até o lançamento será dedicado à contratação de talentos e ao aprimoramento de seu modelo.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialStartupsInvestimentos de empresasexame-ceo

Mais de Inteligência Artificial

OpenAI testa novo ChatGPT ao vivo e exibe o quanto sua IA avançou em poucos meses

Microsoft anuncia investimento de US$4,3 bilhões para desenvolver IA na França

CEO da OpenAI diz que anúncio desta segunda não será sobre buscador

Professores gerados por IA estão dando aulas em uma universidade de Hong Kong

Mais na Exame