Inteligência Artificial

Meta ajusta projeções financeiras e planeja aumentar gastos em 2024

Com resultados acima das expectativas no primeiro trimestre, a empresa projeta um aumento significativo nos gastos, enquanto suas estimativas de vendas para o segundo semestre ficam abaixo do esperado

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 24 de abril de 2024 às 17h50.

Última atualização em 25 de abril de 2024 às 17h23.

Tudo sobreMeta
Saiba mais

A Meta divulgou nesta quarta-feira, 24, seus resultados financeiros para o primeiro trimestre do ano, apresentando uma receita de US$ 36,5 bilhões, equivalente a aproximadamente R$ 187,9 bilhões, marcando um crescimento de 27% em comparação ao mesmo período do ano anterior. O resultado superou as previsões dos analistas, que esperavam uma receita de US$ 36,1 bilhões.

No período, a empresa obteve um lucro líquido de US$ 12,37 bilhões, ou US$ 4,71 por ação, mais que dobrando o lucro registrado um ano antes. Apesar dos números positivos, as ações da Meta enfrentaram uma queda de 11% no after market, influenciadas por projeções de vendas para o segundo semestre que não atenderam às expectativas do mercado. A empresa agora espera gerar entre US$ 36,5 bilhões e US$ 39 bilhões em vendas, abaixo dos US$ 38,2 bilhões previstos pelos analistas.

Além disso, a Meta revisou para cima sua estimativa de gastos para 2024, projetando agora despesas entre US$ 35 bilhões e US$ 40 bilhões, um aumento significativo em relação às previsões anteriores de US$ 30 bilhões a US$ 37 bilhões. Esse aumento está associado aos investimentos em servidores, inteligência artificial e data centers.

Os investimentos em tecnologia, especialmente em inteligência artificial, são parte do esforço da Meta para manter sua competitividade frente a gigantes como Microsoft e Alphabet. Recentemente, a empresa anunciou a construção de um novo centro de dados de US$ 800 milhões e o desenvolvimento de chips próprios para aprimorar seus serviços de IA.

No trimestre, a Reality Labs, divisão focada em tecnologias futuristas como realidade virtual e aumentada, registrou um prejuízo de US$ 3,85 bilhões, mantendo-se estável em relação ao ano anterior. Apesar dos desafios, a empresa confirmou planos de aumentar ainda mais os gastos em 2024, prevendo desembolsar entre US$ 96 bilhões e US$ 99 bilhões, principalmente em infraestrutura e tecnologias emergentes.

O anúncio dos resultados ocorreu no mesmo dia em que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, aprovou uma legislação impactando diretamente a ByteDance, proprietária do TikTok, o que pode beneficiar a Meta caso o aplicativo seja banido nos EUA.

Acompanhe tudo sobre:MetaBalanços

Mais de Inteligência Artificial

EUA quer limitar acesso da China à inteligência artificial, diz Reuters

OpenAI deletou dados e demitiu funcionários envolvidos em antigo projeto

Microsoft está desenvolvendo o próprio modelo de IA — para provar que não precisa da OpenAI

Meta divulga novas ferramentas de inteligência artificial para anunciantes

Mais na Exame