Inteligência Artificial

IA made in Brazil: como inovar em setores-chave e valorizar a identidade nacional

A visão de Valter Wolf, presidente da ABRIA, sobre o impacto e potencial de uma inteligência artificial criada e adaptada às particularidades do Brasil

Miguel Fernandes
Miguel Fernandes

Chief Artificial Intelligence Officer da Exame

Publicado em 27 de setembro de 2023 às 11h28.

Recentemente, tive o prazer de conversar com Valter Wolf, presidente da Associação Brasileira de Inteligência Artificial (ABRIA). Fiquei muito animado de falar sobre perspectivas e potencial da IA no Brasil e de ouvir sobre cases brasileiros inspiradores.

Valter tem uma longa trajetória como executivo e empreendedor em tecnologia, especialmente em telecomunicações, passou por empresas de renome como Nokia, Siemens, Claro, Oi. Ele literalmente vivenciou a construção da Internet no país. Em 2017, antes de todo esse hype, fundou a ABRIA.

Como diretor de IA da Exame, e depois de tanto tempo trabalhando na construção de startups brasileiras focadas em educação e tecnologia, percebi logo no começo da conversa que compartilhamos a mesma visão: a IA pode trazer enormes benefícios para o país, é preciso apoiar esse ecossistema, inspirar empreendedores e remover barreiras.

É maravilhoso quando conheço alguém e descubro que, apesar de histórias e experiências de vida diferentes, compartilhamos uma visão de mundo semelhante. Essas conexões são muito valiosas. Esses encontros me lembram do melhor da humanidade - nossa capacidade de ver além das superfícies e conectar em um nível mais profundo.

Então, celebre essas conexões quando as encontrar. A forma de celebrar que eu encontrei foi compartilhar o que aprendi aqui neste artigo. 

IA ajudando a resolver problemas reais no Brasil

Durante nossa conversa, Valter compartilhou casos inspiradores de uso da IA criada no Brasil em diversas indústrias:

"Tem empresas aplicando IA para aumentar a produtividade da apicultura em até 40%. Outros estão usando para automatizar o diagnóstico de doenças com 90% de precisão. E até para gerar imagens realistas de pães para padarias postarem nas redes sociais." 

Fiquei impressionado com a criatividade dos empreendedores brasileiros ao aplicar essas tecnologias para resolver dores reais dos negócios. Usando a IA para revolucionar áreas como saúde, agro, varejo, serviços e muitas outras.

Aprimorando a produtividade no campo

Um caso interessante está no agronegócio. A IA está sendo aplicada para aprimorar processos e aumentar a produtividade.

Por exemplo, Valter falou sobre uma solução que usa imagens para identificar o melhor tipo de abelha para polinização de cada cultura. Isso permite direcionar as abelhas mais adequadas e elevar a produtividade em até 40%.

Este é apenas um caso de uso dentro do agro. A IA apresenta benefícios em todas as etapas do plantio, irrigação, colheita, transporte e gestão da propriedade rural. A tecnologia é uma aliada do produtor para otimizar recursos e alcançar maior rendimento sustentável.

Agilizando o judiciário com IA

Outro exemplo vem do setor jurídico, onde o volume de processos chega a 80 milhões por ano no Brasil. 

Uma startup criou um robô capaz de ler contratos e documentos, apontando inconsistências e erros em segundos. Isso acelera análises que levariam semanas, desafogando o judiciário. Como disse Valter, a IA está "democratizando o acesso à justiça para a população e empresas".

Esse caso mostra o potencial da automação inteligente em áreas burocráticas, liberando profissionais para tarefas mais estratégicas. A tecnologia como aliada para produtividade e eficiência.

A importância de desenvolver IA local

Ao final da conversa, concluímos que é preciso ir além de soluções prontas criadas lá fora. Desenvolver IA que entenda as particularidades brasileiras.

"Precisamos de IA feita por brasileiros e para brasileiros. IA com sotaque e jeitinho", comentou Valter.

Ele citou o caso de uma IA brasileira para gerar imagens customizadas de pratos para restaurantes divulgarem nas redes sociais. As ferramentas americanas não servem. Para funcionar bem, o sistema precisaria ter imagens de combinações típicas da culinária brasileira, como açaí com pão de queijo.

Porém, como essas IAs são desenvolvidas nos EUA, elas não conseguem produzir imagens realistas de açaí com pão de queijo. Justamente por não terem exposição e dados suficientes sobre esses elementos únicos da cultura brasileira.

Esse é um ótimo exemplo de como precisamos desenvolver IA localmente, para entender as particularidades do Brasil. As empresas estrangeiras não conseguem capturar toda essa regionalidade e diversidade cultural.

Imagens geradas por @inventormiguel usando o MidJourney com o prompt: “ pao de queijo suculento e do lado um copo de açaí com granola”

Imagens geradas por @inventormiguel usando o MidJourney com o prompt: “ pao de queijo suculento e do lado um copo de açaí com granola”

Imagens geradas por @inventormiguel usando o MidJourney com o prompt: “ pao de queijo suculento e do lado um copo de açaí com granola” (Midjourney/Reprodução)

A IA nos deu uma nova missão

Nós, que vivemos e respiramos esse país, podemos criar IA que realmente se conecte com a identidade brasileira. Que entenda nossa língua, sotaques, gírias, humor e - claro - nossas deliciosas combinações gastronômicas!

Somos nós, empreendedores brasileiros, que devemos desenvolver essa IA. Alinhada com as necessidades e complexidades dos nossos negócios e da nossa cultura.

Juntos podemos revolucionar a produtividade do país com IA. Mantendo sempre o foco em melhorar a vida das pessoas, com empatia, ética e sustentabilidade. É esse o futuro que acredito para a tecnologia no Brasil. Um futuro feito de inovação, mas com coração.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

Mistral AI levanta US$ 645 milhões e atinge valor de US$ 6,5 bilhões

Senado defende aprovação de projeto de lei sobre inteligência artificial no Brasil

Google lança ferramenta de IA NotebookLM e novos recursos em português

Com regulação branda, Milei quer tornar Argentina em polo da inteligência artificial

Mais na Exame