Inteligência Artificial

Apple desenvolve próprio chip de IA em data centers, diz WSJ

Projeto visa aproveitar a experiência em design de chips da Apple para infraestrutura de servidores

Novo chip deve executar modelos de IA, e não treiná-los (Leandro Fonseca/Exame)

Novo chip deve executar modelos de IA, e não treiná-los (Leandro Fonseca/Exame)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 7 de maio de 2024 às 07h57.

A Apple está desenvolvendo seu próprio chip para executar um software de inteligência artificial em data centers, informou o Wall Street Journal nesta segunda-feira.

A Apple tem ficado para trás em relação aos seus concorrentes nessa nova corrida tecnológica e parece que quer recuperar o tempo perdido.

“Continuamos muito otimistas em relação à nossa oportunidade em IA generativa e estamos fazendo investimentos significativos”, disse o CEO Tim Cook à Reuters em entrevista.

O projeto, com o codinome ACDC (Apple Chips in Data Center), visa aproveitar a experiência em design de chips da Apple para sua infraestrutura de servidores, disse o relatório. As ações da Apple subiam menos de 1% no pré-mercado nesta terça-feira.

O projeto ACDC está em andamento há vários anos, mas não se sabe se ou quando será divulgado.

Para o chip de servidor da Apple, o componente provavelmente se concentrará na execução de modelos de IA, t, e não no treinamento de modelos de IA, disse o relatório.

A empresa tem trabalhado em estreita colaboração com a Taiwan Semiconductor Manufacturing (maior fabricante de semicondutores do mundo) para projetar e iniciar a produção de chips mais modernos, disse o WSJ.

Warren Buffett vende US$ 38,9 bilhões em ações da Apple

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, vendeu US$ 38,9 bilhões em ações da Apple no primeiro trimestre de 2024 e reduziu em 13% a sua participação na gigante de tecnologia. Os dados constam no balanço divulgado pelo conglomerado neste sábado.

A fatia de Buffett na empresa passou de US$ 174,3 bilhões, em dezembro, para US$ 135,4 bilhões em março, saindo de 905 milhões de ações para 790 milhões. Apesar da redução, a Apple ainda é, de longe, a maior participação da Berkshire no fim do trimestre. 

Questionado na conferência anual de acionistas da Berkshire Hathaway sobre o motivo da redução da participação na Apple, o megainvestidor sugeriu que a venda ocorreu por questões fiscais após "ganhos consideráveis" nos últimos anos. Buffett disse acreditar que os impostos devem subir nos próximos anos para financiar o crescente déficit fiscal dos Estados Unidos. 

Acompanhe tudo sobre:AppleInteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

As ações nada óbvias que podem se beneficiar pelo boom da IA

O brasileiro vai se adaptar a conversar com robôs, diz head de atendimento do BB

Uso de IA já não é mais uma escolha, diz Marcelo Braga, CEO da IBM

Lenovo lança primeiros notebooks Copilot+ com chips Snapdragon X no Brasil

Mais na Exame