Future of Money

Investimento em empresas de cripto da América Latina bate R$3,3 bilhões

Somando R$3,3 bilhões, o potencial das empresas de criptomoedas da América Latina chama a atenção de investidores, principalmente no Brasil, que recebeu a maior parte do valor

A brasileira 2TM foi a que recebeu os maiores aportes (FroYo_92/Getty Images)

A brasileira 2TM foi a que recebeu os maiores aportes (FroYo_92/Getty Images)

Cointelegraph Brasil

Cointelegraph Brasil

Publicado em 18 de fevereiro de 2022 às 16h09.

Os investimentos de venture capital em empresas de criptomoedas e blockchain na América Latina atingiram R$ 3,3 bilhões em 2021, montante quase 10 vezes maior do que foi investido no ano anterior, de acordo com um relatório publicado pela LAVCA (Associação para o Investimento de Capital Privado na América Latina). Em 2020, as startups latinoamericanas do setor haviam recebido apenas R$ 353,6 milhões.

A maior parte dos investimentos foi absorvida por corretoras de criptomoedas e plataformas de negociação para usuários do varejo, que ao todo receberam US$ 3,1 bilhões.

O Grupo 2TM, controlador do Mercado Bitcoin, foi a empresa brasileira que recebeu os maiores aportes dos fundos de venture capital, tornando-se o primeiro unicórnio da indústria local de criptomoedas. Em três rodadas de investimento, a controladora da maior corretora de criptomoedas do país recebeu R$ 11,4 bilhões, atingindo um valor de mercado de R$ 11,4 bilhões.

Antes disso, em maio de 2021, a Bitso, uma uma corretora mexicana que mantém operações na Argentina e na Colômbia, levantara US$ 250 milhões e tornou-se o primeiro unicórnio cripto da América Latina.

Três corretoras argentinas também receberam aportes, impulsionados pelo crescimento da adoção e de suas bases de usuários ao longo do ano passado. Em agosto de 2021, a Lemon Cash e a Buenbit captaram R$ 83,2 milhões e R$ 57,2 milhões, respectivamente. Já em setembro, a Ripio, corretora que também opera no Brasil, levantou R$ 260 milhões.

No mesmo ano, um dos principais fundos de venture capital da América Latina, o Kaszek, realizou seu primeiro investimento no setor das finanças descentralizadas (DeFi), liderando uma rodada de US$ 3 milhões na Exactly, um protoclo que está desenvolvendo uma plataforma de crédito não custodial de código aberto no blockchain Ethereum.

Outras empresas brasileiras do setor de criptomoedas e blockchain que atraíram investimentos foram a Liqi (R$ 28,6 milhões), empresa de tokenização de ativos, e a Gávea Marketplace (R$ 26 milhões), uma bolsa digital para comercialização de commodities.

Sob uma perspectiva mais ampla, os investimentos dos fundos de venture capital na América Latina somaram R$ 81,6 bilhões em 2021, um crescimento de 282% em relação ao ano anterior, quando o total aportado nas empresas da região foi de R$ 21,3 bilhões investidos em 2020, segundo a LAVCA.

O Brasil foi o país da região que atraiu a maior quantidade de capital: R$ 39 bilhões distribuídos entre 419 aportes, um crescimento de 215% em relação ao ano anterior. Em seguida, vieram México (R$ 18,2 bilhões), Colômbia (R$ 7,8 bilhões) e Argentina (R$ 6,2 bilhões).

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:BlockchainCriptoativosCriptomoedasmercado-bitcoinStartupsVenture capital

Mais de Future of Money

Governo da Alemanha movimenta mais de R$ 2 bilhões em bitcoin e gera temor no mercado

'CEO mais odiado dos EUA' é descoberto como criador de falsa criptomoeda 'oficial' de Donald Trump

Vale do Silício: lugar certo para acelerar ideias e projetos; veja as oportunidades para startups

Grandes investidores vendem R$ 6 bilhões em bitcoin em 2 semanas

Mais na Exame