Future of Money

G20, Banco Central e tokenização: R$ 2,2 bilhões em valor de mercado para 2024

A tokenização não é apenas uma tendência, mas também catalisadora de mudanças profundas na forma como entendemos e lidamos com ativos financeiros

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 23 de dezembro de 2023 às 10h00.

Por Cássio Krupinsk*

A estruturação de ativos tem sido um campo desafiador, em que muitos agentes têm possibilidades limitadas devido aos empecilhos do mercado, que acaba favorecendo grandes corporações. A transição de agentes autônomos para corretoras, por exemplo, enfrenta barreiras significativas, desde os altos custos associados à carga tributária até a complexidade do processo de estruturação.

No entanto, uma nova abordagem está emergindo como um facilitador nesse espaço: a tokenização de ativos, que vem ganhando força no mundo todo, principalmente no Brasil. O país, em 2024, sediará as reuniões do G20 e pautará justamente o potencial desse setor e a necessidade das nações atuarem conjuntamente em um sistema interoperável.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Inclusive, na primeira reunião do G20, o presidente do Banco Central (BCB), Roberto Campos Neto, destacou o potencial do sistema financeiro digital na transformação das economias nacionais. Ele apontou que o desenvolvimento do Drex, a moeda digital brasileira, como uma ferramenta para habilitar a tokenização dentro de um ambiente regulado, é fundamental para “tornar o sistema financeiro brasileiro mais competitivo, moderno e inclusivo”.

Além do Drex, como parte da agenda de inovação do sistema financeiro, Campos Neto afirmou que o PIX desempenhou um papel fundamental na inclusão financeira de milhões de brasileiros, com 71,5 milhões de novas pessoas utilizando ativamente as transferências eletrônicas. Além disso, o acesso mais amplo aos pagamentos digitais tem sido associado a uma diminuição do emprego informal.

Atualmente, existem cerca de 144 milhões de usuários individuais e mais de 13 milhões de usuários empresariais. O número de transações mensais realizadas por cerca de 800 instituições participantes já ultrapassou 4 bilhões.

Esta agenda de digitalização da economia, com a tokenizaçãocomo uma das principais vertentes, não é apenas uma tendência, mas também um catalisador de mudanças profundas na forma como entendemos e lidamos com ativos financeiros. Um recente relatório da Swift ilustra a crescente confiança no potencial da tokenização, revelando que 97% dos investidores institucionais acreditam que a tecnologia revolucionará a gestão de ativos.

Tom Zschach, diretor de inovação da Swift, enfatiza a importância da conexão perfeita entre instituições financeiras para desbloquear o potencial máximo da área. Esse é um ponto crítico, já que a integração com todo o ecossistema financeiro é essencial para o sucesso da transição.

Jenny Johnson, CEO da Franklin Templeton Investments, destacou durante o Fortune Global Forum, em Abu Dhabi, o alto interesse da empresa na tokenização, vislumbrando um potencial significativo no setor financeiro de maneira mais ampla. A companhia tem explorado ativamente esse campo, liderando a criação de um mercado monetário tokenizado para otimizar acordos atômicos e maximizar as oportunidades emergentes.

O interesse global na tokenização também é evidente na emissão massiva de cerca de US$ 4 bilhões em obrigações tokenizadas nos últimos anos. Instituições oficiais como o Banco Europeu de Investimento, o Banco Central da Tailândia, entidades governamentais em Hong Kong, na Suíça e nos Estados Unidos contribuíram significativamente para esse crescimento, representando mais da metade das emissões.

Aqui, o Drex segue avançando e a nova consulta pública aberta pelo Banco Central sobre as Vasps também aborda novos caminhos para esse mercado regulamentado.

A grande vantagem da tokenização reside na sua capacidade de simplificar a estruturação de ativos, reduzir custos e democratizar o acesso ao investimento por meio da propriedade fracionada. Essa abordagem não apenas cria novas oportunidades para agentes autônomos e outras entidades, mas também oferece um cenário mais inclusivo e eficiente para investidores de todos os portes.

No Brasil, é possível transformar ainda mais esse mercado, aproveitando suas oportunidades e atingir, em 2024, a marca de R$ 2,2 bilhões de ativos tokenizados. Ao tornar a tokenização acessível e eficaz, capacita-se agentes autônomos e outras entidades a transcenderem as barreiras tradicionais rumo a um novo horizonte de possibilidades.

*Cássio Krupinsk é CEO da BlockBR, fintech especializada em criar infraestrutura para simplificar a migração para a tokenização, atendendo às demandas de um ambiente altamente regulamentado.

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:TokenizaçãoDrex (Real Digital)Blockchain

Mais de Future of Money

Ainda dá tempo de começar a investir em bitcoin? Descubra

O caminho para uma IA responsável e segura no setor financeiro

O que um vencedor do Nobel de Economia pensa sobre criptoativos? Uma análise sobre confiança

A maturidade do mercado de criptoativos no cenário brasileiro

Mais na Exame