Future of Money

Conheça a 'realidade ampliada', que vai criar 860 mil empregos na Europa até 2025

Relatório divulgado pela União Europeia mostra potencial de crescimento do metaverso, envolvendo realidades virtual e aumentada

Crescimento de realidades virtual, aumentada e mista é tendência nos próximos anos (Reprodução/Reprodução)

Crescimento de realidades virtual, aumentada e mista é tendência nos próximos anos (Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 12 de julho de 2023 às 15h40.

Última atualização em 12 de julho de 2023 às 15h54.

A Comissão Europeia divulgou um relatório nesta semana em que afirma que chamada "realidade ampliada" – termo que engloba as diferentes tecnologias que permite que as pessoas interajam em mundos virtuais – vai criar até 860 mil empregos na Europa até 2025. O órgão executivo da União Europeia destacou o potencial de crescimento desse setor.

A realidade ampliada, ou realidade estendida, também conhecida como XR, é um termo abrangente para tecnologias imersivas, incluindo realidade virtual, realidade aumentada e realidade mista. Para a Comissão Europeia, ela também é um "importante facilitador tecnológico" para o desenvolvimento e a expansão de mundos virtuais.

"Espera-se que o impacto sobre os empregos seja altamente significativo", diz o relatório, observando que outros 1,2 milhão a 2,4 milhões de empregos seriam criados direta ou indiretamente em outros setores até 2025. No entanto, a Comissão observou que, atualmente, a maior parte da inovação em torno do metaverso ocorre nos Estados Unidos, na China e na Coreia do Sul.

"Ao contrário desses países, na União Europeia não há gigantes da tecnologia para liderar o investimento no desenvolvimento de mundos virtuais na próxima década", ressaltou o estudo. A maior parte da atividade do mercado de realidade ampliada na Europa se concentra em jogos, mídia e entretenimento, mas há "muito espaço" para outras aplicações, incluindo nos setores de varejo, saúde, militar, defesa e manufatura.

A Comissão observou que os mundos virtuais, possibilitados por esses dispositivos de realidade ampliada, são uma das tecnologias que vão ditar a "próxima geração" da rede mundial de computadores – nomeada Web4 – em que objetos físicos e digitais se unem em ambientes virtuais em tempo real.

"Estamos no início de uma grande transição tecnológica, a Web4. Os mundos virtuais são um importante facilitador da Web4, que pode revolucionar significativamente a vida cotidiana das pessoas e abrir uma ampla gama de oportunidades em muitos ecossistemas comerciais e industriais", afirmou a Comissão Europeia no relatório.

Alguns exemplos compartilhados no relatório incluem o uso de mundos virtuais para treinar cirurgiões para procedimentos médicos complexos, o uso de "gêmeos digitais" para preservar edifícios de patrimônio cultural ou até mesmo o uso de modelos 3D para solucionar as mudanças climáticas.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Iniciativas na Europa

Em seu documento de trabalho apresentado ao Parlamento Europeu, a Comissão apresentou um plano para se tornar um "líder mundial" na Web4 e no metaverso. Responsável pelo plano, o comissário Thierry Breton destacou que "a Web4, também conhecida como metaverso, vai permitir a integração entre objetos e ambientes digitais e reais".

"Hoje, a Europa está se preparando para se tornar líder mundial em Web4 e mundos virtuais", disse Thierry Breton, que é o Comissário Europeu para o Mercado Interno. A proposta enviada ao parlamento da União Europeia envolve dez ações para atingir esse objetivo, incluindo a atração de talentos especializados em mundos virtuais para a região, a criação de sandboxes regulatórios para testar novas ideias e o desenvolvimento de padrões globais para metaversos interoperáveis.

"A Europa tem o que é preciso para liderar a próxima transição tecnológica: startups inovadoras, conteúdo criativo rico e aplicações industriais, um papel forte como definidor de padrões globais e uma estrutura jurídica previsível e favorável à inovação", acrescentou Breton.

yt thumbnail

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:MetaversoRealidade virtualUnião Europeia

Mais de Future of Money

Blockchain Poldkadot anuncia parceria com UTFPR para reforçar aposta no Brasil

Donald Trump lançou criptomoeda própria? Rumor faz ativo disparar mais de 100%

Inteligência artificial, blockchain e mais: qual será a tecnologia dos empregos do futuro?

CEO da Binance diz que bitcoin vai valer US$ 80 mil até o fim de 2024

Mais na Exame