Banco Central da Suécia completa primeira fase de testes com moeda digital

Primeiro país a falar em CBDC sofre com atrasos, mas anuncia fim da primeira fase de testes com a "coroa sueca digital" em blockchain

Os suecos estão descobrindo que sua pioneira visão sobre desenvolver uma moeda digital de banco central, as chamadas CBDCs, pode levar muito mais tempo do que se pensava inicialmente.

O Riksbank acaba de publicar os resultados da primeira fase de um projeto-piloto que é essencialmente a exploração mais avançada de uma era pós-dinheiro a ser realizada por uma grande economia ocidental. O banco central sueco afirma que o ritmo acelerado com que o dinheiro está desaparecendo apresenta “problemas potenciais” que uma moeda digital controlada por um banco central pode resolver.

A tarefa é enorme e o banco central da Suécia, o mais antigo do mundo, continua sendo obrigado a atrasar seu cronograma repetidamente. Depois de sugerir que poderia estar pronto para seguir em frente com o a "coroa sueca digital", ou "e-krona", até 2018, o Riksbank agora fala que o projeto-piloto atual não será concluído até o início do próximo ano, e deu a si mesmo espaço para continuar tentando até o final de 2026 .

Outros bancos centrais já rejeitaram abertamente a noção de que há qualquer vantagem em ser o pioneiro no campo das moedas digitais. O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse recentemente que os EUA preferem estar certos do que serem os primeiros.

“Na maioria das economias, isso levará tempo. E especialmente se os legisladores precisarem opinar ”, disse Johanna Jeansson, da Bloomberg Economics.

Mithra Sundberg, que chefia a unidade do Riksbank que administra o projeto em Estocolmo, sugere que é importante não se contentar com a tecnologia antes de descobrir exatamente o que a moeda digital precisa fazer. Isso é como o Riksbank deixa claro que não está substituindo o dinheiro e que tudo o que acaba criando - se for adiante - provavelmente exigirá uma nova estrutura legal antes de poder ser usado.

Enquanto isso, o uso de dinheiro na forma de notas bancárias e moedas está diminuindo na maior economia nórdica. No ano passado, os suecos usaram dinheiro com menos frequência do que os cidadãos de sete outros mercados “maduros”, como uma pequena porcentagem do total de transações, de acordo com um relatório da McKinsey.

Mas nem todo mundo vê a falta de dinheiro como um gatilho para embarcar em um projeto de moeda digital. Na vizinha Noruega, outra sociedade praticamente sem dinheiro físico, o banco central diz que não há "necessidade urgente" de introduzir uma CBDC.

“A motivação para a introdução de uma moeda digital de banco central pode mudar à medida que os formuladores de políticas exploram a questão. A simples introdução de um complemento ao dinheiro para transações de varejo pode não fazer muita diferença na economia. O uso de CBDCs no atacado em transações internacionais tem o potencial de aumentar a eficiência. O emprego de novas ferramentas digitais para fins de política pode realmente alterar o campo macroeconômico. Quanto maior o passo, mais pensamento ele provavelmente exigirá. Vai levar algum tempo”, disse Johanna Jeansson, economista da Bloomberg na Escandinávia.

Por enquanto, o Riksbank se concentra no chamado modelo de duas camadas, no qual seria responsável pela emissão e resgate de uma CBDC. Em tal estrutura, os chamados participantes, como bancos ou firmas de pagamento, teriam contato direto com o usuário final, de acordo com Micael Lindgren, o gerente técnico de projeto do Riksbank.

Em última análise, os políticos, e não os banqueiros centrais, decidirão como será o futuro do dinheiro na Suécia. Os legisladores julgarão se as informações produzidas por meio do projeto-piloto os convencem de que uma "e-krona" é mesmo necessária e, em caso afirmativo, que forma ela deve assumir.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também