Future of Money

Pequeno país da Ásia vai investir R$ 2,5 bilhões em mineração de bitcoin

Butão criou uma das primeiras operações do mundo de mineração da criptomoeda como forma de diversificar investimentos

Butão atua na área de mineração de bitcoin (Bloomberg/Getty Images)

Butão atua na área de mineração de bitcoin (Bloomberg/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 8 de abril de 2024 às 10h45.

Última atualização em 8 de abril de 2024 às 11h00.

O governo do Butão, um pequeno país da Ásia com menos de 800 mil habitantes, pretende investir cerca de US$ 500 milhões (R$ 2,5 bilhões, na cotação atual) para expandir sua operação de mineração de bitcoin. A nação atua no segmento de mineração há alguns anos, mas pretende intensificar seus esforços na área.

As informações sobre o investimento foram divulgadas pela Bloomberg. De acordo com a reportagem, a decisão faz parte de uma parceria entre a empresa de mineração de criptomoedas Bitdeer e a Druk Holding & Investments, uma empresa controlada pela família real do Butão, que é uma monarquia semiconstitucional.

A ideia é que o investimento aumente em seis vezes a capacidade de geração de energia para as operações de mineração de bitcoin, indo dos 100 megawatts de potência atuais para 600 megawatts. A expansão deverá ser concluída até o fim do primeiro semestre de 2025, enquanto o orçamento exato do investimento será fechado até julho deste ano.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

O esforço para expandir as operações de mineração também envolve uma antecipação dos efeitos do halving do bitcoin, previsto para ocorrer ainda neste mês. O evento resulta na redução pela metade das recompensas dadas aos mineradores pelos seus serviços, reduzindo a lucratividade no segmento.

Tradicionalmente, o período posterior ao halving resulta em uma concorrência maior entre os mineradores, já que eles competem de forma mais intensa pela validação de transações com recompensas maiores. Por isso, é comum que as mineradores melhorem sua capacidade operacional.

No caso da operação de mineração de bitcoin do Butão, a parceria com a Bitdeer também envolverá a instalação de um novo hardware para a atividade, o que tende a tornar a operação mais eficiente e facilitar a concorrência com outras empresas que atuam nesse segmento.

Butão e bitcoin

Após anos de especulações sobre a identidade de um grande minerador da criptomoeda que era desconhecido, o reino budista do Butão confirmou em abril de 2023 que era o responsável por uma grande operação de mineração de bitcoin, que teria sido iniciada há anos, quando o ativo valia menos de US$ 5 mil.

Atualmente, a criptomoeda está cotada na casa dos US$ 70 mil. A operação de mineração do Butão se aproveita da abundância de fontes renováveis de energia, que tornam a operação mais barata e reduzem o impacto ambiental da atividade, com destaque para o uso de energia hidrelétrica.

Na época, a Druk Holdings destacou que seu portfólio de investimentos diverso, incluindo "ações globais, renda fixa e investimentos de capital de risco em startups promissoras, o setor imobiliário nacional e internacional, energia renovável, healthtechs, biotecnologia, ciências da vida e agrotecnologia e mineração e investimento em ativos digitais".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaCriptomoedasBitcoinMineração de bitcoin

Mais de Future of Money

Brasileiros investem R$ 9,1 milhões nos fundos de criptomoedas em semana de reação global

Banco Central revela próximos passos da regulação de criptomoedas; veja o que esperar

Número de novas carteiras de bitcoin atinge menor nível desde 2018

Bitcoin começa semana acima de US$ 67 mil, mas ata do Fed pode impactar preço

Mais na Exame