Future of Money

Banco Central declara que bitcoin, criptomoedas e tokenização são prioridades

Diretor de Regulação do BC, Otávio Damaso, destaca que o Banco Central do Brasil está colocando a discussão sobre bitcoin, criptomoedas, ativos digitais e tokenização como prioridade em 2023

Real Digital será lançado em 2024 (Reprodução/Reprodução)

Real Digital será lançado em 2024 (Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 8 de abril de 2023 às 10h14.

O Banco Central do Brasil está colocando a discussão sobre bitcoin, criptomoedas, ativos digitais e tokenização como uma de suas prioridades este ano. Segundo afirmou o diretor de Regulação do BC, Otávio Damaso, a área regulatória estará concentrada em discutir como estes temas devem ser abordados pelo regulador tendo em mente o lançamento do Real Digital, a CBDC do Brasil que irá habilitar a economia nacional para a economia digital com contratos inteligentes.

Além disso, Damaso destacou a importância de avançar na finalização do Open Finance, que já se tornou realidade e permite aos clientes executarem produtos e serviços bancários através de diferentes instituições financeiras.

O diretor do BC também apontou que os três principais drivers da área regulatória neste ano serão a transformação digital, a sustentabilidade e a estabilidade financeira. A transformação digital é vista pelo regulador sob vários prismas, incluindo o processo de tokenização da economia.

Já a sustentabilidade é uma preocupação cada vez maior, com o foco na transição para uma economia de baixo carbono e seus desafios e oportunidades para o setor financeiro.

  • Economia digital e você ainda não investe em criptoativos? Conheça a Mynt, uma plataforma crypto brasileira e com a melhor seleção de ativos disponível para você explorar novas formas de investir sem medo. Abra agora sua conta gratuitamente.   

A estabilidade financeira, por sua vez, será uma questão a ser acompanhada tanto por aspectos estruturais como conjunturais, incluindo o comportamento do mercado de crédito, eventos recentes nos Estados Unidos e na Europa e outros fatores que possam afetar o mercado de crédito.

Além disso, Damaso mencionou a importância de completar a nova legislação cambial do país e finalizar o acordo de Basileia na parte prudencial.

Pablo Lobo, cofundador da Sthorm, afirmou ao Cointelegraph que o foco do BC em tokenização tem como principal objetivo desenvolver este ecossistema no Brasil já que a base de todo o ecossistema em torno do Real Digital é economia tokenizada.

Lobo destaca ainda que o BC afirmou diversas vezes que a CBDC nacional tem como foco o atacado e, com isso, ampliar o processo de tokenização da economia brasileira. Além disso Lobo cita que o BC deve ser determinado como o regulador das empresas de criptomoedas no decreto presidencial a ser emitido até junho.

“Temos acompanhado todo o movimento do BC em torno da CBDC e seu foco em tokenização. Será um grande avanço para o país. Nós acreditamos que a tokenização tem capacidade de desbloquear uma nova economia verde para o Brasil abrindo novas fontes de financiamento para iniciativas que salvam o planeta e impulsionam o desenvolvimento sustentável”.

O executivo destaca também que a CVM tem alinhado com o BC esta agenda de tokenização já que determinadas operações podem ser configuradas como valores mobiliários e afirma que neste alinhamento, ambos os reguladores, defendem a tokenização como motor de uma nova economia digital no Brasil.

CVM e tokenização

Recentemente a CVM, por meio da Superintendência de Supervisão de Securitização (SSE), apertou o cerco com a tokenização no Brasil e publicou um Ofício Circular orientando os prestadores de serviço envolvidos com a tokenização de Tokens de Recebíveis ou Tokens de Renda Fixa (TR).

Segundo a autarquia, os TRs representam valores mobiliários apesar da ocorrência de “determinadas ofertas públicas de distribuição de TR que podem ser realizadas nos termos do regime previsto pela Resolução CVM 88”, a grande maioria dos tokens em negociação no mercado atualmente estão em desacordo com as regras da atuarquia.

"Eles vêm sendo ofertados cada vez mais em plataformas (exchanges ou tokenizadoras) com o apelo de investimento, sendo fundamental a orientação da área técnica sobre o assunto, a fim de mitigar possíveis irregularidades e desvios de conduta. Nossos esclarecimentos ainda se basearam no Parecer de Orientação 40, em que a CVM consolidou o entendimento sobre a aplicação da regulação de valores mobiliários aos criptoativos", explicou o Superintendente de Supervisão de Securitização da CVM, Bruno Gomes.

A CVM acrescentou que a caracterização de determinado ativo como mobiliário independe de manifestação da autarquia e que, nesse caso, os “agentes privados devem sempre avaliar se a regulação do mercado de capitais é aplicável aos ativos distribuídos” e “devem ser respeitadas as normas sobre registro de emissores e sobre ofertas públicas, bem como as disposições sobre intermediação, escrituração, custódia, depósito centralizado, registro, compensação, liquidação e administração de mercado organizado para negociação de valores mobiliários.”

A Circular lembrou que o conceito de oferta pública é disciplinado na Resolução CVM nº 160/2022 e acrescentou que “esta área técnica entende que a propaganda de investimento em TR pode ser caracterizada como oferta pública mesmo quando realizada exclusivamente para pessoas previamente cadastradas, em caso de envio de comunicação que for considerada massificada.”

Economia digital e você ainda não investe em criptoativos? Conheça a Mynt, uma plataforma crypto brasileira e com a melhor seleção de ativos disponível para você explorar novas formas de investir sem medo. Abra agora sua conta gratuitamente.   

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:Drex (Real Digital)BitcoinCriptoativosCriptomoedasBanco Central

Mais de Future of Money

Gestora brasileira Hashdex quer lançar ETF misto de bitcoin e ether nos EUA

Golpistas roubam R$ 15 milhões de gigante cripto e pedem recompensa por encontrar falha

Análise: mercado cripto passa por 2ª semana de correção, mas tendência ainda é de alta

Receita Federal aperta cerco contra corretoras estrangeiras de criptomoedas; entenda

Mais na Exame