Future of Money

Aceitação do Pix em lojas online supera débito e se aproxima do boleto

Levantamento analisa 59 dos maiores e-commerces do país e mostra que a maioria já aceita pagamentos com Pix, que superou a aceitação do cartão de débito e se aproxima dos boletos

O Pix já chegou a ter quase 52 milhões de transações em um único dia (SOPA Images/Getty Images)

O Pix já chegou a ter quase 52 milhões de transações em um único dia (SOPA Images/Getty Images)

Lançado há cerca de 15 meses, o Pix mostrou uma enorme aceitação por parte dos brasileiros. No dia em que registrou a maior movimentação, o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central atingiu a marca de quase 52 milhões de transações. Agora, um novo estudo mostra que sua adoção atingiu um novo patamar, com a aceitação do Pix em estabelecimentos comerciais superando a de cartões de débito e rivalizando com a dos boletos bancários.

O levantamento, feito pela consultoria GMattos, analisou 59 dos maiores e-commerces brasileiros, tais como Mercado Livre, Pão de Açúcar, Época Cosméticos e iFood, durante o mês de janeiro de 2022. Enquanto a aceitação de boleto e cartão de crédito se mantiveram estáveis em relação a dezembro passado, o Pix teve um leve aumento, já sendo aceito em quase 65% das lojas analisadas. Apenas um ano atrás, menos de 20 dessas lojas aceitavam essa forma de pagamento. O boleto está estacionado em 75%, enquanto o cartão de débito tem só 34% de aceitação.

Embora tenha perdido dois players importantes - Uber e Rappi - somente no mês passado, o Pix foi acrescentado como meio de pagamento aceito em sete novas lojas digitais, incluindo algumas de grande representatividade, como Amazon e Azul. Algumas até oferecem incentivos para quem paga usando o sistema do BC, como descontos que chegam a até 10%.

As carteiras digitais, ou wallets, como Ame, Apple Pay e PayPal, por outro lado, têm aceitação mais lenta. Cerca de 45% das lojas aceitam pelo menos uma, mas nenhuma loja aceita todas. Algumas carteiras, como a Samsung Pay, tem 0% de aceitação.

O cartão de débito, comparativo mais direto com o Pix, antes aceito em mais de 40 lojas, agora conta somente com 30, sem nenhum tipo de benefício para os consumidores.

Segundo o estudo, caso mantenha o ritmo de crescimento e traga novidades como parcelamento, o Pix deve ultrapassar o boleto em aceitação até maio desse ano. Contudo, como o patamar de 65% já é considerado alto, o caminho se torna mais difícil, afirma o documento.

O Pix faz parte da agenda de inovação do Banco Central do Brasil, que, entre outras iniciativas, também conta com o projeto Open Banking, cujo objetivo é permitir o compartilhamento de dados bancários dos consumidores entre diferentes instituições. O projeto, cuja fase 1 foi iniciada há um ano, já viu mais de 3 milhões de compartilhamentos serem realizados.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:EXAME-no-InstagramInovaçãomeios-de-pagamentoopen-bankingPIX

Mais de Future of Money

Comissão Federal de Comércio dos EUA alerta para aumento de golpes românticos com criptomoedas

Bitcoin em “queda livre” é oportunidade de compra? Especialista do BTG responde

G20 debate como blockchain pode ajudar na economia digital e segurança dos maiores países do mundo

Inteligência artificial “vai transformar bancos”, diz pesquisa do Boston Consulting Group

Mais na Exame