Future of Money

6 expectativas da Visa e da Mastercard para o Drex, a moeda digital brasileira

Selecionadas pelo Banco Central para os testes do piloto, as gigantes dos pagamentos revelam suas expectativas para o real digital

 (Waitforlight/Getty Images)

(Waitforlight/Getty Images)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 7 de novembro de 2023 às 09h30.

Última atualização em 7 de novembro de 2023 às 14h47.

O Banco Central está desenvolvendo o Drex, a nova moeda digital brasileira. Já em fase de testes, a autarquia selecionou uma série de empresas para participar do projeto piloto do Real Digital. Entre elas estão Visa e Mastercard, gigantes globais dos pagamentos. Executivos de ambas as empresas revelaram à EXAME quais são as suas expectativas para o Drex.

Com lançamento previsto para o final de 2024, a moeda digital desenvolvida pelo Banco Central será uma versão completamente digital do Real e tem foco no atacado. Segundo especialistas, o Drex será um “Pix inteligente” e pode mudar completamente o dia a dia de empresas e instituições financeiras, além dos próprios usuários, que terão acesso à uma versão tokenizada da moeda digital.

  • Este conteúdo é parte do "Especial: Real Digital", que tem apoio da Mynt e patrocínio de Aarin Tech-Fin e Febraban. Para saber mais e acompanhar todos os conteúdos exclusivos com quem mais entender de Drex no Brasil, acesse a página do evento na EXAME clicando aqui. 

Seu grande diferencial em relação ao Pix será a programabilidade, de acordo com a Dinamo Networks, empresa responsável pela segurança do Pix e que agora está no projeto piloto do Drex.

A novidade é mais uma peça na agenda de inovação do BC, depois de grandes lançamentos como o Pix e o Open Finance. Representantes da autarquia já revelaram que o Banco Central assume, nos últimos anos, uma postura aberta à inovação e ao diálogo com empresas e startups.

Nesse sentido, Cristiane Taneze, responsável pela área de inovação da Visa no Brasil e Leonardo Linares, responsável por produtos e serviços na Mastercard, revelaram com exclusividade à EXAME suas expectativas em relação ao Drex:

Cristiane Taneze, da Visa

1. "A nossa expectativa em relação ao Drex é resolver algumas questões. Primeiro, trazer novos casos de uso que resolvam questões dos brasileiros";

2. "A segunda expectativa é ser seguro e manter a privacidade. A gente até entende que a privacidade tem um limite entre a privacidade e a responsabilização, mas é importante a privacidade não só para o setor bancário mas também para os próprios usuários";

3. "A terceira expectativa é garantir que o Drex seja conectado com o mundo. Então a gente fala bastante sobre a interoperabilidade do sistema se conectando com vários outros bancos centrais no mundo e permitindo que o cidadão global possa utilizar o Drex no mundo inteiro".

Leonardo Linares, da Mastercard

4. "Entendo que a principal expectativa que a gente tem é dele [o Drex] trazer mais eficiência para o sistema financeiro, isso é uma coisa que inclusive o Banco Central traz para a mesa sempre que eles falam do Drex";

5. "Inovação, com certeza o Drex vai permitir um caminho de inovação muito grande em diversas frentes na transferência de ativos";

6. "Junto com isso vai vir uma simplicidade de uso para as pessoas com experiências muito mais integradas por meio da tecnologia".

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:Especial: Real DigitalDrex (Real Digital)VisaMasterCard

Mais de Future of Money

Aprovação de ETFs de ether se tornou "questão política gigante" nos EUA, diz criador da Ethereum

Investidores lucram até 1.600% com criptomoeda meme de Donald Trump

Presidente da SEC critica projeto de lei nos EUA que mudaria regulação de criptomoedas

Hong Kong proíbe operações do Worldcoin, projeto de "identidade digital" de Sam Altman

Mais na Exame