15 toneladas de plástico recicladas no Brasil viram NFTs que dão acesso a hotel em Paris

Startup brasileira Green Mining usa blockchain em ciclo de reciclagem de resíduos; em parceria com hotel Lancaster, lançou coleção de NFTs que dão benefícios aos seus portadores
Reciclagem de resíduos plásticos foi transformada em NFTs pela startup Green Mining (China Photos / Stringer/Getty Images)
Reciclagem de resíduos plásticos foi transformada em NFTs pela startup Green Mining (China Photos / Stringer/Getty Images)
C
Cointelegraph Brasil

Publicado em 19/07/2022 às 11:58.

Última atualização em 19/07/2022 às 12:00.

A startup brasileira Green Mining revelou que conseguiu coletar mais de 15 toneladas de resíduos plásticos com o uso da tecnologia blockchain. Os resíduos foram recuperados na cidade de São Paulo por meio de uma parceria com o Hotel Lancaster.

(Mynt/Divulgação)

Todo o plástico recuperado foi incorporado a uma coleção de NFTs, que serão conectados com experiências no mundo físico, como a possibilidade de reservar quartos em um dos mais conceituados hotéis de Paris (FRA).

Segundo revelou a startup, cada um dos 15 NFTs emitidos está associado a um quarto de hotel. Ao fazer a reserva em uma dessas acomodações, o dono do NFT irá encontrar, ao lado de uma obra de arte, a Garantia de Recuperação de Plástico (PRG) que comprova que uma tonelada de embalagem plástica foi reciclada no Brasil.

Ao vender PRGs através dos NFTs do hotel, a Green Mining declarou que conseguiu aumentar o valor de cada quilo de resíduos plásticos recuperados e que isso ajudou a startup a aumentar a formalização de catadores, muitos dos quais este é o primeiro emprego real.

Metade dos NFTs da coleção foram vendidos desde o lançamento há pouco mais de uma semana no Plastiks, um mercado de NFTs focado no setor de gestão de resíduos e reciclagem.

"O Brasil recicla apenas 2,1% e o lixo plástico é um problema crônico nas cidades brasileiras. A Green Mining foi fundada para reduzir os danos ambientais causados ​​pelos resíduos plásticos e garantir o respeito e a dignidade do trabalho para pessoas com poucas oportunidades de trabalho", disse Rodrigo Oliveira, CEO e cofundador da Green Mining.

A Green Mining foi fundada em São Paulo em 2018. Até agora, a empresa já recolheu mais de 4,25 milhões de quilos de recicláveis ​​e evitou a emissão de mais de 700 toneladas de CO2 através da substituição da exploração de recursos naturais. Já a Plastiks foi lançada no início de 2022 como o primeiro marketplace de NFT focado em sustentabilidade.

“Estamos muito satisfeitos que o Hotel Lancaster e a Green Mining tenham visto uma aceitação tão fantástica de seus NFTs. Plastiks tem tudo a ver com reunir pessoas de todo o mundo para aumentar o valor dos resíduos plásticos recuperados e melhorar o meio ambiente", declarou André Vanyi-Robin, CEO da Plastiks.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok