ESG

União Europeia tem a menor emissão a partir de combustíveis fósseis em 60 anos

Em 2023, a queda foi de 8%; as emissões de CO2 geradas exclusivamente com a queima de carvão caíram pela metade desde 2015

Carvão: conselheiros climáticos da UE defendem eliminação progressiva dos subsídios aos combustíveis fósseis (Sean Gallup/Getty Images)

Carvão: conselheiros climáticos da UE defendem eliminação progressiva dos subsídios aos combustíveis fósseis (Sean Gallup/Getty Images)

Paula Pacheco
Paula Pacheco

Jornalista

Publicado em 29 de janeiro de 2024 às 17h43.

O ano de 2023 na União Europeia (UE) teve um marco importante: foi alcançado o menor nível de emissões de dióxido de carbono gerado a partir de combustíveis fósseis. A retração foi de 8% em comparação aos níveis de 2022. A UE atingiu os menores níveis desde o início da década de 1960.

De acordo com relatório do Centro de Investigação em Energia e Ar Limpo (Crea), trata-se da maior queda anual registrada após 2020, quando fábricas foram fechadas e voos suspensos por conta da pandemia de covid-19.

Carvão encolheu

As emissões de CO2 da UE a partir da queima de carvão diminuíram para metade desde 2015 e registaram uma redução anual de 25%. Já as emissões relacionadas com o gás diminuíram 11%, enquanto as provenientes do petróleo retraíram 2%, em comparação com o ano anterior.

Apesar dos números, a UE segue como uma das principais responsáveis pelo aquecimento do planeta, contribuindo para as condições climáticas cada vez mais extremas.

É preciso avançar

Recentemente, alguns dos conselheiros climáticos da UE afirmaram que “o ritmo das reduções precisa de aumentar consideravelmente” se o bloco quiser atingir a sua meta para 2030. Os 27 Estados-Membros têm de reduzir as emissões cerca de duas vezes mais rapidamente do que fizeram, em média, nos últimos 17 anos, de acordo com um relatório do Conselho Consultivo Científico Europeu sobre Alterações Climáticas.

O grupo apresentou uma relação com 13 recomendações para alcançar números melhores. Entre elas, a eliminação urgente e progressiva dos subsídios aos combustíveis fósseis, a expansão do regime europeu de preços de emissões para incluir a agricultura e a aprovação das leis finais do acordo verde europeu.

Acompanhe tudo sobre:Energia renovávelUnião EuropeiaCarvãoEmissões de CO2

Mais de ESG

A estratégia por trás do turismo em um dos maiores aterros sanitários da América Latina

O novo plano da Dow para tornar suas fábricas à prova de falta d'água

Metade de manguezais, importantes para combater mudanças climáticas, está em risco de colapso

Rede de hotéis reverte 20 anos de perdas em Sauípe com ESG; agora, estrutura metas para expandir

Mais na Exame