Retrospectiva ESG 2023: O desenvolvimento da energia eólica no Brasil

Um dos fatores que auxilia no processo de desenvolvimento do setor eólico é a descarbonização das matrizes energéticas e a busca por soluções renováveis

Energia eólica: matriz cresce nos últimos anos, diz presidente executiva da ABEEólica (Danil Shamkin/NurPhoto/Getty Images)

Energia eólica: matriz cresce nos últimos anos, diz presidente executiva da ABEEólica (Danil Shamkin/NurPhoto/Getty Images)

Fernanda Bastos
Fernanda Bastos

Repórter de ESG

Publicado em 27 de dezembro de 2023 às 07h00.

A geração de energia eólica, uma fonte de energia renovável e sustentável, teve grandes marcos neste ano no Brasil, sendo um destaque a aprovação do marco legal de usinas eólicas offshore, ou seja, turbinas localizadas em alto mar na Câmara – o que comprova a crescente deste mercado. 

Em entrevista à EXAME, Elbia Gannoum, presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica e Novas Tecnologias (ABEEólica) explica que, em 2011, os primeiros parques eólicos se instalaram no Brasil e, desde então, há avanços.

“A energia eólica tem crescido exponencialmente. E nos últimos três anos, temos batido recorde atrás de recorde de instalação de parques eólicos. Em 2017, a energia eólica se tornou a fonte de energia mais barata, inclusive superando as hidrelétricas”, afirma Gannoum. 

Já 2023, foi um grande ano para essa modalidade de energia. Segundo a ABEEólica, neste ano, foram instalados 109 novos parques eólicos no Brasil, com um total de 4,05 GW (gigawatts) de nova capacidade. Os estados com maior número de novos parques são: Bahia (BA), Piauí (PI), Rio Grande do Norte (RN), Pernambuco (PE), Paraíba (PB) e Ceará (CE). 

“Hoje, a fonte eólica – junto com a solar – é a que mais cresce e é entendida como uma resposta da transição energética tanto do ponto de vista global, quanto também do ponto de vista brasileiro”, diz Gannoum. A presidente executiva da organização explica que, em 2018, a energia eólica tinha capacidade de 2 GW (gigawatts) e neste ano, o mercado fechou o período alcançando a marca de 4.4 GW de capacidade instalada. 

A importância da descarbonização para a energia eólica

Um dos fatores que auxilia no processo de desenvolvimento do setor é a descarbonização das matrizes energéticas e a busca por soluções renováveis, onde as indústrias estão buscando adaptar seus processos produtivos para as novas demandas. E a energia eólica tem se mostrado mais competitiva do que os combustíveis fósseis, segundo Gannoum. 

Para a presidente da associação, atrair mais fábricas para ter mais investidas em energia pode beneficiar o mercado da energia eólica – por meio do powershoring. Este é o termo usado para se referir às estratégias sobre oferta de energia, com a descentralização de energia limpa, renovável e barata. Segundo o Banco de Desenvolvimento da América Latina e Caribe (CAF), a região latino-americana atende muitas das condições necessárias para se aplicar o powershoring. 

“Isso coloca a energia eólica como um grande potencial, juntamente com a produção do hidrogênio verde e de outras energias renováveis”, afirma Gannoum

A diferença entre energia eólica onshore e offshore

A energia eólica onshore faz alusão aos parques localizados em terra, enquanto a energia eólica offshore é aquela produzida em alto mar, que usa os ventos do mar aberto para gerar energia. 

ESG, carreira e impacto: Domine na prática a sigla que não sai da boca dos CEOs e comece sua jornada rumo a uma carreira com propósito e ótimos salários

Energia eólica offshore é nova tendência do mercado?

De acordo com o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), 91 projetos relacionados à instalação de usinas eólicas offshores solicitaram licenciamento ambiental, representando aproximadamente R$ 40 bilhões de investimentos para instalação e logística. 

Caso concretizados, os novos parques podem gerar mais de 189 GigaWatts (GW). A EXAME confirmou com o Ibama que outros 13 projetos foram inscritos até 15 de setembro – sendo 10 deles da Petrobras, que entrou no setor de eólicas offshore. 

O investimento da Petrobras com a WEG tem foco em desenvolver as turbinas de entendimentos com a Casa dos Ventos e a Total Energies. Essa movimentação da estatal faz parte da investida da empresa em diversificação dos seus produtos para além dos combustíveis fósseis, focando na transição energética. “A Petrobras assume a posição de maior desenvolvedora de projetos de energia eólica no Brasil. A companhia chegou chegando”, resumiu Jean Paul Prates, presidente da estatal.

Segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a energia eólica offshore tem um potencial energético de cerca de 700 gigawatts (GW), podendo ampliar em 3,6 vezes a capacidade de energia já instalada no Brasil

A relevância social da matriz

Outro ponto importante é como a energia eólica se conecta com o âmbito de desenvolvimento socioeconômico do ESG (do inglês, ambiental, social e governança). “A energia eólica é abundante no país e tem um aspecto social importante. Ela traz emprego e renda para a população de onde os parques são instalados. Hoje, mais de 90% dos projetos são instalados no Nordeste e fizemos um estudo que demonstrou que a cada R$ 1 que você investe em energia eólica, você devolve R$ 2,9 para economia, então esse efeito em termos de PIB é um  efeito multiplicador muito considerável”, afirma Gannoum. 

Segundo a presidente executiva, regiões em que os parques eólicos se instalaram versus as regiões que não tinham parques contam com um PIB com crescente em torno de 20%. Além disso, o índice de desenvolvimento humano municipal cresceu em torno de 21%. “A energia eólica é uma pauta ambiental por definição porque a eólica é uma das formas de produção de energia que tem o menor impacto ao meio ambiente e o maior ganho social”, diz Gannoum. 

Mais de ESG

Prates defende Margem Equatorial e projeta hidrocarbonetos na economia por até 50 anos

Trabalhadores enfrentam riscos de saúde provocados pela mudança climática

Brasil não trata meio ambiente com seriedade, diz promotor

Assaí busca fortalecer negócios locais com prêmio para pequenos empreendedores, incluindo informais

Mais na Exame