Acompanhe:

O que o aquecimento global tem a ver com o futuro da lagosta? A ciência explica

Especialista francês aponta relação entre aumento de temperatura e estresse nos ecossistemas marinhos, com a diminuição dos nutrientes, o que afeta a produtividade

Modo escuro

Continua após a publicidade
Efeitos: desoxigenação dos oceanos compromete nutrientes, importantes para a vida marinha (Giordano Cipriani/Getty Images)

Efeitos: desoxigenação dos oceanos compromete nutrientes, importantes para a vida marinha (Giordano Cipriani/Getty Images)

O aquecimento global torna os oceanos mais ácidos, menos oxigenados e menos produtivos, trazendo também "estresse aos ecossistemas marinhos", segundo o oceanógrafo e climatologista especialista no fenômeno El Niño, Jérôme Vialard, do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento, sediado na França. Veja o que diz o estudioso em entrevista à AFP.

Como explicar os recordes de temperaturas alcançados este ano nos oceanos, com mais de 21ºC em média na superfície durante o verão boreal?

Vialard: Uma parte disso é atribuível ao que ocorre no Pacífico, com o fenômeno El Niño, que corresponde a um aquecimento de grande parte do Pacífico tropical. Entretanto, saímos de três anos de La Niña, que tende a atenuar os efeitos do aquecimento climático, um pouco como uma espécie de (sistema de) climatização. Em 2023, a climatização parou e, além disso, determinamos o aquecimento com o desenvolvimento do El Niño.

Leia também: COP28: o próximo grande evento da agenda climática mundial; tudo que você precisa saber

O El Niño modifica a circulação da atmosfera em escala planetária e aquece áreas distantes. Tipicamente, atingirá o pico em dezembro e durará até a próxima primavera (boreal). Então, é principalmente no próximo ano que veremos os efeitos máximos do El Niño.

A anomalia atual de temperatura não me parece completamente desproporcional. O recorde de temperatura global anterior é de 2016, relacionado ao forte El Niño de 2015-2016. Desde então, continuamos acumulando gases de efeito estufa na atmosfera. Portanto, não é surpreendente que, com o fim da La Niña e o início do El Niño, nos deparamos com um novo recorde de temperatura, muito acima do anterior.

Com o ritmo atual de emissões de gases de efeito estufa (GEE), é quase surpreendente que ainda não tenhamos quebrado um recorde de temperatura global antes. E, na minha opinião, infelizmente, corremos o risco de quebrar um novo recorde no próximo ano.

Podemos falar em aquecimento climático desenfreado?

Vialard: Não há, por enquanto, consenso científico sobre um efeito de desenfreamento do aquecimento climático em escala planetária. O que a ciência diz é que o aquecimento médio do planeta está linearmente associado à quantidade total de CO2 emitido. Uma tonelada a mais de carbono na atmosfera significa um aquecimento adicional. O que precisamos fazer, portanto, é parar de emitir CO2. Temos nosso destino em nossas mãos. Mais do que o sistema climático, o que é preocupante é a inação dos políticos.

Qual é o efeito do aquecimento climático nos oceanos?

Vialard: Há mais acidificação dos oceanos. O dióxido de carbono se dissolve no oceano e aumenta sua acidez. Os corais e os organismos cujo esqueleto é calcário (como ostras, caranguejos e lagostas) sofrerão com isso. Além disso, os gases são menos solúveis em um oceano que está quente: isso significa que há uma desoxigenação dos oceanos.

Em suma, a produtividade dos oceanos diminui porque há menos nutrientes que sobem do oceano profundo. O aquecimento climático penetra lentamente no oceano e aquece primeiro a camada superficial. O oceano superficial se torna então mais leve do que as camadas inferiores, mais frias. É, então, mais difícil misturar essas diferentes camadas.

O problema é que os sais minerais, encontrados nas profundezas, têm mais dificuldade em subir em direção à superfície, onde está a luz. No entanto, esses nutrientes são importantes para o desenvolvimento da vida marinha, do fitoplâncton, que é a base da cadeia alimentar. Isso tem um efeito nos grandes predadores, até mesmo na pesca. Todos esses efeitos gerarão estresse nos ecossistemas marinhos.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Petrobras avança em combustível de aviação sustentável e mira até 30% do mercado
ESG

Petrobras avança em combustível de aviação sustentável e mira até 30% do mercado

Há 8 horas

Artur Grynbaum: "Cada passo importa para um futuro sustentável"
ESG

Artur Grynbaum: "Cada passo importa para um futuro sustentável"

Há 11 horas

Empresas têm política, mas não têm orçamento para Direitos Humanos, aponta KPMG
ESG

Empresas têm política, mas não têm orçamento para Direitos Humanos, aponta KPMG

Há 13 horas

Criado na pandemia, Mundo Social, do Magalu, cresce e gera renda para grupos minorizados e ONGs
ESG

Criado na pandemia, Mundo Social, do Magalu, cresce e gera renda para grupos minorizados e ONGs

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais