Acompanhe:

Do tomate ao milho, mudanças climáticas avançam e ameaçam produção de alimentos

O aquecimento global provoca secas, como a que afeta o Chifre da África desde 2020; na região, milhões de cabeças de gado morreram e 23 milhões de pessoas sofrem com risco de fome

Modo escuro

Continua após a publicidade
Rendimento: colheita de milho na Argentina reduziu em 30% no período 2022-2023 (Getty Images/Getty Images)

Rendimento: colheita de milho na Argentina reduziu em 30% no período 2022-2023 (Getty Images/Getty Images)

Do Chifre da África à Argentina, a seca e as ondas de calor atingem seres humanos, animais e plantas, mas a mudança climática põe em risco a produtividade agrícola de todo o planeta, inclusive nas zonas temperadas, até então imunes a seu impacto.

Nenhum continente está a salvo. A seca já contribuiu para o desaparecimento de uma civilização, acelerando o declínio do império hitita de Anatólia no final do século XII antes da nossa era, de acordo com um estudo recente publicado na revista Nature.

Leia também: COP28: o próximo grande evento da agenda climática mundial; tudo que você precisa saber

Agora, ameaça o rendimento agrícola de grandes países produtores, como a Argentina, cuja colheita de milho se reduziu em 30% em relação ao habitual durante a colheita 2022-2023.

A agricultura, que representa 23% das emissões mundiais de gases de efeito de estufa (GEE), pela pecuária e pelo uso de fertilizantes, é uma das primeiras vítimas da mudança climática.

O aquecimento global multiplica as secas e sua duração, como a que castiga o Chifre da África desde o final de 2020, onde o aumento das temperaturas matou milhões de cabeças de gado e 23 milhões de pessoas estão ameaçadas pela fome, segundo a ONU. No total, mais de 3 bilhões de pessoas vivem em um ambiente "muito vulnerável" à mudança climática.

Esse fenômeno também leva ao aumento dos episódios de precipitações extremas, que têm consequências devastadoras: destroem os cultivos, impossibilitam a plantação e a colheita e agravam a erosão dos solos, cujas camadas férteis superiores acabam sendo arrastadas pelas torrentes de água. Nos últimos anos, esses fenômenos foram observados no Paquistão e na Austrália.

A isto, se somam os fenômenos climáticos oceânicos El Niño e La Niña, recorrentes mas irregulares, que acentuam a seca na Indonésia (maior produtor mundial de óleo de palma) e na Argentina (grande exportador de milho), afetam as monções na Índia e favorecem a atividade ciclônica.

Menos trigo e leite

"Se falta água no momento da germinação (quando as plantas crescem), ou pouco antes da floração, o impacto na produção de cereais será significativo", explica Thierry Caquet, diretor científico de Meio Ambiente do instituto francês de pesquisa Inrae, que trabalha na adaptação da agricultura à mudança climática.

"Uma temperatura elevada, com ou sem água, favorecerá um efeito de escaldamento, ou seja, o enchimento do grão é interrompido", o que significa impedir sua maturação, acrescenta.

Em resumo, completa, a água terá impacto na quantidade de espigas - e, por consequência, no volume da colheita -, na temperatura e em sua qualidade (taxa de enchimento dos grãos).

A falta de água também leva a um déficit de forragem, desde as pastagens de montanha até os campos de alfafa. Na Catalunha, no nordeste de Espanha, por exemplo, os agricultores desistiram de plantar em abril, devido à seca histórica que o país atravessa.

A seca dos pontos de água e a falta de pasto dizimam os rebanhos dos criadores de gado no Sahel e no Chifre da África. Mesmo nas zonas temperadas, como França e Tunísia, a produtividade das raças leiteiras diminuiu por causa do calor. "Um pico de calor de 40°C pode matar uma vaca", afirma.

O que o IPCC prevê

Pelo menos 60% dos alimentos do mundo dependem da agricultura de sequeiro, e o restante, da agricultura irrigada. Com a mudança climática, a demanda de irrigação aumenta: os cultivos precisam de mais água, pois perdem uma maior quantidade, devido à evapotranspiração. E isso se acentua ainda mais quando se trata de horticultura: um tomate, ou um melão, são compostos por 90% de água.

Estima-se que a produtividade agrícola diminuiu 25% entre 1961 e 2006, devido à seca, informou o Painel Intergovernamental da Mudança Climática da ONU (IPCC, na sigla em inglês) em fevereiro de 2022. Até 2071-2100, se a temperatura mundial aumentar entre 1,5°C e 2°C, a perda de produtividade, devido à seca, crescerá entre 9% e 12% no caso do trigo e mais de 18% no do arroz, em comparação com o período 1961-2016.

Mas existem soluções: acabar com a artificialização do solo; uma melhor e mais sustentável gestão florestal; proteger os ecossistemas com forte capacidade de armazenamento de carbono, como as turfeiras; e o desenvolvimento da agroecologia.

Os especialistas do IPCC também alertam sobre os perigos de uma "má adaptação", ressaltando, por exemplo, que a sobre-exploração de aquíferos para armazenar água em zonas áridas pode "comportar o esgotamento das águas subterrâneas" - o que terá efeitos nocivos no médio prazo.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Frente parlamentar negocia piso de 15% na mistura obrigatória de biodiesel ao diesel
ESG

Frente parlamentar negocia piso de 15% na mistura obrigatória de biodiesel ao diesel

Há 12 horas

Critérios climáticos devem pautar 45% dos financiamentos até 2030, prevê Banco Mundial
ESG

Critérios climáticos devem pautar 45% dos financiamentos até 2030, prevê Banco Mundial

Há 13 horas

Anfavea: vendas de máquinas agrícolas alcançam 60.981 mil unidades em 2023, queda de 13,2%
EXAME Agro

Anfavea: vendas de máquinas agrícolas alcançam 60.981 mil unidades em 2023, queda de 13,2%

Há 16 horas

Paul Polman: liderança ambiental é oportunidade histórica e gera desbloqueio econômico para o Brasil
ESG

Paul Polman: liderança ambiental é oportunidade histórica e gera desbloqueio econômico para o Brasil

Há 18 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais