ESG

NotCo é certificada Empresa B; entenda plano ESG da companhia

O foco da NotCo acontece em três níveis: governança, planeta e comunidade. Mathias Muchnick, CEO da foodtech, detalha estratégia

Matias Muchnick, founder and chief executive officer of Not Company, in New York, US, on Monday, Oct. 24, 2022. Eight months after announcing their joint venture, Kraft Heinz Co. and NotCo are unveiling their first products: animal-free cheese slices and mayonnaise. Photographer: Gabby Jones/Bloomberg (NotCo/Divulgação)

Matias Muchnick, founder and chief executive officer of Not Company, in New York, US, on Monday, Oct. 24, 2022. Eight months after announcing their joint venture, Kraft Heinz Co. and NotCo are unveiling their first products: animal-free cheese slices and mayonnaise. Photographer: Gabby Jones/Bloomberg (NotCo/Divulgação)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 6 de fevereiro de 2023 às 06h00.

A fabricante de alimentos NotCo é a mais nova certificada Empresa B, do Sistema B, movimento global de empresas que buscam altos padrões de desempenho social e ambiental, transparência e governança. Para a NotCo, que desenvolve um portfólio com produtos à base de plantas, a novidade reforça o compromisso com o desempenho social e ambiental da operação.

As Empresas B estão legalmente comprometidas em oferecer benefícios aos acionistas e a todas as partes interessadas nos negócios, incluindo funcionários, clientes, comunidade e meio ambiente. Mais de 6.000 empresas ao redor do mundo fazem parte do movimento B Corp, demonstrando alto impacto social e ambiental.

Cada um deve seguir os mesmos padrões, políticas, ferramentas e programas para ajudar a mudar o comportamento, a cultura e a estrutura do capitalismo, movendo-se com uma visão, rede e movimento coesos. O foco da NotCo acontece em três níveis, são eles:

  • Governança – implementando novos processos e ferramentas como software para rastrear o uso da água, auditorias anuais para assegurar o alinhamento da certificação, parceria com consultores externos para criar e refinar iniciativas ambientais em andamento e fóruns para rastrear e alcançar objetivos ESG.
  • Planeta – demonstrando eficiência de recursos por meio de seus produtos para tornar o planeta melhor e mais verde. De acordo com uma auditoria interna da NotCo, os produtos da empresa economizam em média 84% das emissões de CO2 e 78% da água em comparação com produtos de origem animal. Esses dados são baseados em pesquisas científicas que medem o valor da pegada ambiental por ingrediente em cada produto.
  • Comunidade – desenvolvendo e alimentando a sustentabilidade como um valor fundamental e aumentando a motivação dos funcionários por meio de iniciativas de diversidade e inclusão, planos de desenvolvimento profissional para todos e um novo programa “Hand to Hand”, que consiste em três pilares principais para apoiar comunidades em países onde NotCo opera: Serviço Social, Educação e Doações. Por meio dessa iniciativa, a equipe da NotCo visita comunidades carentes e distribui produtos, além de oferecer ensino sobre tecnologia e reunir a comunidade por meio de jogos e música. A NotCo opera em esferas de influência em todos os seus territórios geográficos e isso ajudará a conectar cada um, da América Latina aos Estados Unidos e ao Canadá.

“A transparência e a responsabilidade sempre foram uma força motriz por trás da NotCo, portanto, ser certificado como B Corp é uma grande honra, algo que esperamos desde que começamos esta jornada”, disse o cofundador e CEO da NotCo, Matias Muchnick.

“Também desenvolvemos uma tecnologia que nos coloca em uma posição única para gerar mudanças mais rápido do que qualquer outra empresa de alimentos e bebidas. Algumas das marcas mais importantes do mundo fazem parte da rede B Corp, trabalhando para estabelecer a estrutura para um amanhã melhor, e estamos entusiasmados por fazer parte desse movimento global para promover a transformação social e ambiental", completa.

Desde 2016, a NotCo busca, segundo o executivo, expandir a produção sustentável de alimentos por meio de tecnologia exclusiva. A Inteligência Artificial da NotCo reduz os cronogramas de desenvolvimento de P&D e o uso de recursos, como água, emissões de carbono e eletricidade.

Em dezembro do ano passado a empresa captou US$ 70 milhões em novos financiamentos como uma Série D para acelerar sua nova unidade B2B , permitindo que outras marcas de bens de consumo, fornecedores de ingredientes e de tecnologia utilizem a Inteligência Artificial, nomeada Giuseppe, para suas próprias inovações. Com isso, a NotCo está disponibilizando sua tecnologia para todos os fabricantes de alimentos e bebidas que buscam criar produtos à base de plantas sustentáveis e escaláveis.

Atuação no Brasil 

A NotCo já investiu mais de R$150 milhões investidos no Brasil e, para 2023 o foco será no desenvolvimento de novas categorias de produtos, expansão para regiões que a marca ainda não está presente e na abertura de um novo escritório, com instalações maiores e uma cozinha experimental para testes da equipe de P&D e parcerias. A previsão da NotCo é dobrar de tamanho no país este ano.

Em 2022, a foodtech expandiu sua presença para os estados do Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Distrito Federal e lançou 10 SKUs, com ampliação das linhas de NotBurger Smash e NotMilk™ e introdução de novas categorias, com o NotCreme de Leite™, NotMilk High Protein™, e NotMeat™, composta por kibe, almôndega e carne moída.

Acompanhando a estratégia global, a operação no Brasil também vem trabalhando para aumentar a oferta de produtos plant-based em restaurantes e lanchonetes ampliando cada vez mais sua gama de parceiros, com nomes locais importantes como Bullguer e Casa do Pão de Queijo.

Acompanhe tudo sobre:AlimentosExame HojeFoodtechsIndústrias de alimentosSustentabilidade

Mais de ESG

B3 revisa índice de emissões de carbono com BNDES e Blackrock para ampliar número de empresas

Summit ESG: economia circular ainda não valoriza o papel dos catadores

Malwee amplia coleção produzida a partir de roupas que iriam para o lixão

Peixe amazônico, introduzido em reservatório paulista, vira predador de espécies nativas

Mais na Exame