ESG

O que são mudanças climáticas: Quais as suas causas e consequências?

As mudanças climáticas são um desafio global de extrema urgência

Combustíveis fósseis: o futuro do petróleo encabeça preocupação do Observatório do Clima (Alexandros Maragos/Getty Images)

Combustíveis fósseis: o futuro do petróleo encabeça preocupação do Observatório do Clima (Alexandros Maragos/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 11 de janeiro de 2024 às 15h38.

Última atualização em 12 de janeiro de 2024 às 15h41.

Com a crescente preocupação com o meio ambiente, compreender as raízes das mudanças climáticas é crucial para direcionar ações que minimizem suas consequências.

Este artigo explora a complexidade desse fenômeno, discutindo suas causas e impactos.

O que são mudanças climáticas?

As mudanças climáticas referem-se às transformações a longo prazo nos padrões climáticos da Terra. Elas incluem variações nas temperaturas médias, precipitação, ventos e outros elementos do clima em escala global, regional e local.

O fenômeno é impulsionado principalmente pela atividade humana, como a emissão de gases de efeito estufa, o desmatamento e a urbanização, que ampliam o efeito estufa natural. Isso resulta em um aumento nas temperaturas médias da Terra, conhecido como aquecimento global.

Para fazer um resumo sobre mudanças climáticas, é preciso entender também que elas têm impactos profundos em ecossistemas, recursos naturais, economia e bem-estar humano.

A elevação do nível do mar, eventos climáticos extremos, como furacões e secas, e a perda de biodiversidade são apenas alguns exemplos dos efeitos negativos observados.

Além disso, a saúde humana é afetada pela disseminação de doenças transmitidas por vetores, como malária e dengue, em novas regiões devido a esses processos. A sua compreensão e mitigação são essenciais para garantir um futuro sustentável.

A cooperação global e a redução das emissões de gases de efeito estufa desempenham um papel fundamental na busca por soluções para este desafio global. Muitas empresas já buscam implementar medidas ESG, algo que tem ajudado até mesmo o valuation de seus negócios.

O que é Aquecimento Global?

O aquecimento global é um fenômeno climático que descreve o aumento contínuo das temperaturas médias da Terra ao longo do tempo, resultante do acúmulo de gases de efeito estufa na atmosfera.

Esses gases, como dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e óxido nitroso (N2O), provêm principalmente de atividades humanas, como queima de combustíveis fósseis, desmatamento e processos industriais.

O efeito estufa, um mecanismo natural, envolve a retenção do calor solar na atmosfera, permitindo a manutenção de temperaturas adequadas para a vida na Terra.

No entanto, o aumento das concentrações de gases de efeito estufa intensifica esse fenômeno, levando ao aquecimento do planeta, que tem implicações graves.

O derretimento das calotas de gelo, o aumento do nível do mar, eventos climáticos extremos, como furacões e secas, e perturbações nos ecossistemas são algumas das consequências do aquecimento global.

É um dos principais fatores responsáveis pelas por esse processo e exige medidas de mitigação, como a redução das emissões de gases de efeito estufa e a promoção de fontes de energia mais limpas, para minimizar seus impactos prejudiciais. Combater o aquecimento global é uma das principais medidas das metas ESG das empresas.

O que é Efeito Estufa?

O efeito estufa é um processo fundamental para a manutenção das condições climáticas na Terra. Envolve a interação entre a radiação solar que chega à atmosfera e a radiação térmica emitida pela superfície terrestre.

A radiação solar é absorvida pela superfície e reemitida na forma de radiação infravermelha. Certos gases na atmosfera, chamados de gases de efeito estufa, como dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e vapor d'água (H2O), absorvem parte dessa radiação infravermelha e a reirradiam na direção da Terra, aquecendo-a.

Esse efeito é essencial para manter a temperatura média da Terra em níveis adequados para a vida. No entanto, a atividade humana, como a queima de combustíveis fósseis e o desmatamento, tem aumentado as concentrações desses gases na atmosfera, intensificando o efeito estufa e levando ao aquecimento global.

Portanto, enquanto o efeito estufa natural é crucial para a vida na Terra, o aumento descontrolado das concentrações de gases de efeito estufa devido às atividades humanas está causando desequilíbrios climáticos prejudiciais. 

Esse processo é um dos principais impulsionadores das mudanças climáticas globais. Para combater isso, a maioria das pessoas já busca iniciativas voltadas para a ESG.

Quais são as causas das mudanças climáticas?

Essas mudanças são impulsionadas principalmente por causas antropogênicas (ligadas às atividades humanas) e causas naturais. Entre as principais causas das mudanças climáticas, as atividades humanas desempenham um papel significativo.

A emissão de gases de efeito estufa, como dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e óxido nitroso (N2O), provenientes da queima de combustíveis fósseis, desmatamento, agricultura intensiva e processos industriais, contribui para o aumento do efeito estufa.

Esse aumento retém o calor na atmosfera, elevando as temperaturas globais, causando o aquecimento global.

Além disso, essas mudanças de origem natural, como variações na atividade solar e erupções vulcânicas, também podem afetar o clima, mas seu impacto é relativamente menor em comparação com as influências humanas.

As causas humanas das mudanças climáticas desempenham um papel preponderante e exigem ação imediata para mitigar os impactos.

A redução das emissões de gases de efeito estufa, o aumento da eficiência energética e a transição para fontes de energia mais limpas são passos essenciais para combatê-las e minimizar seus efeitos prejudiciais. As empresas têm buscado medida ESG para longevidade e para cuidar do meio ambiente.

Quais são as consequências das mudanças climáticas?

Os efeitos de mudanças climáticas são vastos e afetam todas as áreas da vida na Terra. O aumento das temperaturas globais é uma das principais consequências, levando ao derretimento das calotas polares e à elevação do nível do mar, ameaçando comunidades costeiras e causando perda de terras.

Eventos climáticos extremos, como furacões, secas e inundações, tornam-se mais frequentes e intensos, resultando em danos econômicos, perdas de vidas e impactos na agricultura.

Além disso, a mudança climática afeta a biodiversidade, com espécies enfrentando riscos crescentes de extinção devido a alterações em seus habitats e padrões migratórios.

A disseminação de doenças transmitidas por vetores, como malária e dengue, também se intensifica à medida que os vetores se deslocam para novas regiões.

A segurança alimentar é ameaçada pela redução da produtividade agrícola devido a condições climáticas adversas. A escassez de água é um desafio crescente em muitas partes do mundo, com o derretimento das geleiras e a diminuição das fontes de água doce.

Globalmente, as mudanças climáticas representam uma ameaça multifacetada que exige ação urgente para mitigar seus impactos e adaptar-se a um clima em constante transformação. Países como o Brasil já estão prontos para o mercado de regulação de carbono, sendo um ponto importante para combater os prejuízos ao meio ambiente.

Acompanhe tudo sobre:Mudanças climáticasMeio ambienteAquecimento global

Mais de ESG

Governança de um amanhã e de futuros

BID Invest, que espera movimentar US$ 102 bi na América Latina, promove evento ESG em Manaus

Dia Mundial dos Oceanos: fonte de água e um retrato do desastre climático

Azerbaijão, sede da COP29, defende acelerar produção de gás (sim, um combustível fóssil)

Mais na Exame